Vespa está de volta às ruas brasileiras

Rogério Machado* (Publicado no Diário do Comércio – Edição: 28/10/2016)

vei6-calendario-vespa-1954O scooter Vespa, marca do Grupo Piaggio, é um ícone do design italiano e manteve muito da sua originalidade ao longo de décadas, mais precisamente, 70 anos. A marca italiana esteve no Brasil em diferentes períodos, entre 1958 e 1987, e gravou com profundidade a sua imagem no mercado. Desde então, o grupo Piaggio expandiu suas fronteiras, adquirindo e consolidando marcas importantes como Aprilia, Gilera, Moto Guzzi, Derbi e Sacarabeo, além de cuidar das tradicionais marcas Vespa e Piaggio.

A empresa italiana reconhece que o fato de ter se afastado do mercado brasileiro custou caro e poderia ocupar hoje posição de destaque por aqui, participando como um dos principais players. Agora volta para retomar sua história.

O mercado brasileiro também cresceu e, em 2005, passou da casa de 1 milhão de motocicletas produzidas, atingindo o seu auge em 2008, quando foram fabricadas 2.140.907 unidades. A partir daí, sofreu uma queda, mas repetiu uma boa marca em 2011 para, então, cair sucessivamente ano a ano, até 2016.

No período, a elevação do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) foi maior do que a elevação do preço das motos, reduzindo significativamente as margens dos produtores, mas sem conseguir conter a queda das vendas.

a-vespa-primavera-mobilidade-puraProvavelmente, a produção deste ano não irá superar 1 milhão de motocicletas e tal situação se deve aos caminhos da economia. Porém, as perspectivas para os próximos anos são positivas. No mercado global, as previsões para o crescimento do transporte sobre duas rodas, até 2018, têm apontado uma elevação significativa, exatamente nas regiões com menor influência da sazonalidade ambiental, enquanto nos EUA e Europa experimentarão um pequeno declínio.

As análises indicam que a Ásia e a região do Pacífico apresentarão maior crescimento, seguidas, à distância, por África e Oriente Médio. Finalmente, em terceiro lugar, as Américas do Sul e Central. É nesse cenário, no mínimo promissor, que a Piaggio retorna ao País, desta vez através de um empreendimento da Asset Beclly, que, apesar do nome, é uma empresa brasileira que se dedica ao fomento da atividade industrial com grupos de investidores cuidando da vinda das empresas e da elaboração do business plan.

A vinda da Piaggio contará com um peso pesado do mercado das duas rodas: ela será presidida por Longino Morawski, profissional com experiências muito bem sucedidas na General Motors, Toyota e, ultimamente, na Harley-Davidson, onde provocou, definitivamente, uma revolução, difundindo a marca no mercado.

Estratégia para o Brasil – O plano de entrada da Piaggio será colocado em prática através de duas etapas. A primeira delas se desenvolverá entre 2016 e 2018 e consiste na importação de veículos completos ou CBU (Complete Built-Up).

as-possibilidades-de-customizacao-sera-numerosas-aqui-uma-vespa-gts-vestida-para-a-estradaDe 22 de outubro até o fim desse ano, a empresa projeta comercializar 2.000 Vespas, incluindo uma série especial, de mil unidades, com numeração destacada e a imagem da bandeira nacional. Essa série receberá duas faixas laterais com as cores da bandeira italiana e os clientes receberão placas comemorativas que incluem os números de chassis. Essa série usa como base o modelo Primavera (150cc) e já teve o preço divulgado: R$27,93 mil.

Em 2017, o plano é superar as 12.000 unidades vendidas, abrindo campo para a segunda etapa que prevê a implantação de uma unidade de montagem na Zona Franca de Manaus (AM), no ano seguinte. Esta planta terá capacidade produtiva de 35 mil scooters, com possibilidades de ampliação.

A produção em Manaus será em CKD (Completely Knocked Down) com a adoção de componentes importados e nacionais, objetivando reduzir o custo final. É interessante notar que diversos fatores contribuem para a difusão crescente dos veículos de duas rodas por aqui. O primeiro é a própria situação caótica dos grandes centros, com restrições de estacionamento e baixíssima velocidade de deslocamento para os automóveis.

Somem-se a isto os fatores consumo e custo de combustível e o transporte coletivo mal administrado ao longo de décadas. Estes aspectos associados à imposição da redução da emissão de gases já provocaram a adoção em massa dos transportes de duas rodas em outras partes do mundo e parece que experimentaremos essa dinâmica por aqui.

A “invasão” de scooters, chamada de scooteirização, é um fenômeno observado na Ásia, Oriente Médio, Itália e outros países.

A América do Norte também apresentou esta tendência e não foi maior devido aos baixos preços da gasolina praticados naquele mercado. Os indicadores mostram que o mercado dos scooters tem crescido no Brasil e a Piaggio, protagonista de peso dessa categoria, não ficaria de fora.

vespa-primavera-disponivel-em-125cc-e-150cc

Vespa Primavera (125 e 150cc)

A Piaggio iniciará sua participação aqui com os modelos Primavera (125cc e 150cc), Sprint (150cc), 300 GTS (300cc) e a luxuosa 946 Emporio Armani. A Primavera e a Sprint dividem o mesmo chassis e motor, mas apresentam algumas diferenças externas como o formato dos faróis (redondo na Sprint e retangular na Primavera), além da decoração do para-lama anterior aplicada na Primavera. A Primavera 125cc foi o segundo (e último) modelo que a Piaggio revelou o preço: R$22,89 mil. As rodas da Sprint são maiores, resultando em uma ligeira elevação da altura do solo.

006-vespa-sprint-disponivel-em-125cc-e-150cc

Vespa Sprint (150cc)

No topo da linha, a 946 apresenta outro chassis, mais longo, com a mesma mecânica 150cc. O modelo se destaca pelo desenho arrojado do banco e da lanterna traseira. O padrão da pintura é especial, evidenciando a assinatura da alta costura Armani. A Vespa 300 GTS segue o desenho clássico da marca e recebe uma tecnologia de ponta que coloca a segurança em evidência. Os freios são ABS e, além disso, ela está dotada de controle de tração. O câmbio CVT dispensa operação do usuário.

vespa-946-emporio-armani-com-o-assento-duplo

buscando-novos-nichos-com-a-vespa-946-emporio-armani

Vespa 946 Emporio Armani

Experimentamos recentemente, na Itália, o modelo 250 GTS e a sua versatilidade é realmente surpreendente.

Boutiques fazem parte da nova estratégia

A Piaggio prepara um novo sistema de distribuição que conta com boutiques localizadas em shoppings centers para a função de show-room, vendas e assistência técnica. Um dos investidores da Asset Beclly, um italiano radicado no Recife (PE), Santo Magliacane, evidencia que “não iremos construir simples concessionárias. Nosso projeto exclusivo irá conceber boutiques para a comercialização dos produtos. Como lidamos com scooters premium, acreditamos que elas merecem um ambiente sofisticado, elegante e, ao mesmo tempo, tecnológico, exatamente como é a Vespa.”

Esta visão encontra plena convergência nas palavras do presidente do grupo no Brasil, Longino Morawski: “Com as nossas lojas-conceito nós concebemos um ambiente inédito, um novo estilo de vender, que, por sua vez, é capaz de proporcionar experiências únicas. Acreditamos que o seu efeito também será um gerador de vendas adicionais.”

O pontapé inicial será dado através de lojas no Shopping JK Iguatemi e no Iguatemi Campinas, ambos no estado de São Paulo, prometendo revolucionar o setor também no ambiente de vendas. Até o fim do ano, outros shoppings receberão “boutiques” Vespa.

Desde a década de 1970, a indústria de transportes tem investido homeopaticamente no design retrô, invocando formas clássicas que ficaram eternizadas no inconsciente coletivo. Essa tendência aconteceu até mesmo aqui, no Brasil, em 1974, com o MP Lafer, que utilizava a plataforma Volkswagen, mas exibia a forma de um MG inglês de 1936.

a-vespa-gts-de-volta-ao-brasil

Vespa 300 GTS

De lá para cá, foram dezenas de modelos retrô produzidos por italianos, franceses, alemães e japoneses com sucesso. Chrysler, Honda, Toyota, Volkswagen e Fiat, somente para citar algumas, fizeram suas incursões nesse cenário. Parece que esse apego ao design do passado se mistura a uma forma de nostalgia, fazendo surgir um apelo emocional.

No mundo das motocicletas esse fenômeno foi observado na mesma época e, um exemplo do qual me recordo, a Yamaha SR500 chegou ao mercado em 1978 revivendo o desenho e as formas clássicas inglesas.

Atualmente, o estilo está presente em diversas marcas e com muitas opções, lembrando também da febre das motocicletas cafe-racers, customizadas a partir de modelos mais novos em uma onda que se espalhou por todo o mundo, trazendo de volta uma vez mais o design clássico.

No mundo dos scooters essa nostalgia parece que nunca perdeu força e, com o retorno confirmado da Vespa para o Brasil, teremos a oportunidade de utilizar e conviver novamente com esse simpático veiculo nas nossas ruas.

o-porta-objetos-com-a-praticidade-habitual-dos-scooters

Fotos: Divulgação / Grupo Piaggio / Vespa

É interessante ressaltar que, enquanto no Brasil, os shopping centers ainda experimentam possibilidades de ascensão, ainda que colhidos pelo momento econômico, no primeiro mundo essa modalidade de arranjo comercial esta passando por transformações.

O mega empreendedor alemão da área, Allan Zeman, dono do grupo LKF, considera que a era digital já esta transformando os shoppings centers e que, no futuro, esses locais serão, principalmente, espaços de convívio, lazer, entretenimento e lifestyle, reduzindo significativamente sua função varejista.

*Colaborador

Audi S8 Plus fará estreia no Salão de SP

Da Redação

Audi S8 plusAlta potência, lista completa de equipamentos e praticidade para o dia a dia – todas essas características se unem no novo S8 Plus, que faz sua estreia no Brasil durante o Salão do Automóvel de São Paulo, de 10 a 20 de novembro. As vendas do sedã esportivo de luxo, que tem preço de R$ 889,99 mil, começam em dezembro nas concessionárias da marca.

O modelo é equipado com um 4.0 V8 biturbo que desenvolve 605 cv de potência entre 6.100 e 6.800 rpm e 750 Nm de torque entre 2.500 e 5.500 giros com o overboost. Com esse motor, o carro acelera de 0 a 100 km/h em apenas 3,8 segundos e atinge velocidade máxima de 250 km/h, limitada eletronicamente. São números que impressionam para um carro desse porte, que tem 5,15metros de comprimento, 1,95 metros de largura, 1,46 metro de altura e pesa 1.990 kg.

A distância entre-eixos é de 2,99 metros. O porta-malas, que traz abertura e fechamento elétricos, tem capacidade para 520 litros.

Audi S8 plusO motor V8 trabalha com a transmissão Tiptronic de oito velocidades. O sistema de tração quattro com diferencial esportivo está entre os destaques do modelo, assim como a suspensão a ar sport da linha S e direção dinâmica, com ajustes específicos para o S8. Rodas de liga leve de 21 polegadas também são de série.

Externamente, o S8 Plus exibe visual mais esportivo que o do A8, com acabamento das soleiras das portas com o nome do veículo e capas dos retrovisores de alumínio.

Audi S8 plusUm dos destaques na dianteira são os faróis Matrix LED, formados por cinco conjuntos individuais de LEDs, com funcionamento independente. Caso algum veículo seja detectado à frente, os fachos individuais podem seletivamente se apagar, para evitar ofuscamento.

Audi S8 plusNo interior, chama a atenção o acabamento de alumínio escovado e carbono atlas, além de revestimento de couro nos assentos, volante e alavanca de câmbio.

A lista de equipamentos de conforto inclui ar-condicionado de quatro zonas, bancos dianteiros (esportivos) e traseiros de couro Valcona com aquecimento, função massagem, ajuste lombar e regulagens elétricas com memória na frente, teto solar, cortinas elétricas para as janelas laterais e o vidro traseiros, volante multifuncional com ajuste elétrico e shift paddles, espelhos retrovisores externos eletricamente ajustáveis, rebatíveis, aquecíveis e com função memória.

Audi S8 plusEntre os itens de segurança estão alarme antifurto, função Auto hold, Audi pre sense plus, sistema de visão noturna Night Vision, ACC (controle de cruzeiro adaptativo), head-up display, indicador de pressão dos pneus, sistema keyless-go, sensor de estacionamento dianteiro e traseiro, Audi side assist, câmeras ambiente (360o), direção dinâmica e sistema start-stop.

Audi S8 plusJá na parte de entretenimento, o sedã traz sistema de som da Bose, rádio MMI com navegação, Bluetooth, Audi music interface, recepção de TV, DVD player, Audi connect e sistema de entretenimento traseiro.

A lista de opcionais complementa o modelo com sistema de som Bang & Olusen e o Pacote Dinâmico, composto por escapamento esportivo, freios de cerâmica e aumento da velocidade máxima de 250 km/h para 305 km/h.

Audi S8 plus

Audi S8 plus

Fotos: Divulgação / Audi AG

Honda XRE 190 é uma opção confortável e segura

Rogério Machado* (Publicado no Diário do Comércio – Edição: 28/10/2016)

vei10-honda-xre190A motocicleta é uma opção de qualidades inegáveis para os tempos atuais. Econômicas e fáceis de manobrar, elas se proliferam tanto nas estradas quanto nos centros urbanos, onde sua presença tem sido mais intensa. Mais de 80% das motocicletas produzidas no País são da marca Honda e, dentro dessa fatia, somente 1% é composto de modelos com cilindrada acima de 300cc.

As motos com motores de 160cc representam metade do mercado da marca, e dentro dele, o modelo de uso misto (on-off road) NXR Bros é o mais vendido. Os números chamavam atenção sobre a existência de um gap entre esta opção e o modelo de uso misto imediatamente acima, a XRE300. Sendo assim, a Honda introduziu, em maio desse ano, a XRE190.

Analisando os gráficos de vendas podemos concluir que a opção foi acertada e, para avaliar na prática o seu desempenho, utilizamos o modelo no dia a dia das ruas e estradas. Uma característica que poucos usuários dedicam atenção é a geometria do chassis. Este aspecto determina o conforto e a manobrabilidade em diversas condições de uso. A distância entre-eixos, por exemplo, pode contar muito sobre as características de uma moto antes mesmo de você dirigi-la.

vei11-honda-xre190O da XRE190 mede 1358mm (43mm maior que a Bros160) e resulta em uma boa estabilidade direcional, favorecendo o seu uso nas estradas sem, portanto, perder a agilidade em baixa velocidade, o que é especialmente útil no trânsito urbano.

Seu raio de curva é de 2,1 metros. A ergonomia é bem definida no que diz respeito à visibilidade do painel LCD e à acessibilidade dos comandos de indicação direcional, faróis e buzina. As manoplas do guidão possuem uma textura fina, mais adequada ao uso de luvas.

vei13-honda-xre190A relação do posicionamento dos pedais e guidão permite um posicionamento confortável e, somada ao assento com altura de 836mm, atende também aos usuários de variadas estaturas sem comprometer o domínio da moto nas paradas. Este aspecto também é facilitado pelo curso de 160mm da suspensão anterior, que se acomoda ao peso. A suspensão traseira é monoshock com 150mm de curso.

As rodas de 19 polegadas na dianteira e 17 na traseira são equipadas com pneus Pirelli MT60 que garantem uma boa performance tanto em superfícies pavimentadas quanto na terra, embora produzam um pouco de ruído no asfalto, evidenciado particularmente no pneu anterior.

A obrigatoriedade da introdução gradativa de freios anti-travamento (ABS) nas motocicletas no Brasil começou a vigorar este ano, com 10% da produção, e deverá atingir a totalidade de modelos em 2019. Este aspecto é um fator marcante na XRE190. Segundo a MAIDS, a Associação de Fabricantes Europeus de Motocicletas, a frenagem inadequada com travamento das rodas anteriores é considerada a maior causa de acidentes.

vei12-honda-xre190Segurança – Outro fenômeno que as estatísticas apontam como causa comum é a frenagem insuficiente na qual o motociclista, buscando evitar um eventual travamento, não pressiona o freio com força suficiente para evitar um acidente. O ABS da XRE190 está instalado na roda anterior, a mais solicitada, que recebe um disco de 240mm. Atrás o freio também é a disco, com 220mm.

O sistema oferece muita segurança e durante as provas exigimos um pouco mais dele, podendo prová-lo em piso de paralelepípedos e em percurso fora de estrada, com cascalho e pedras soltas.

Em ambos os ambientes ele evitou o travamento da roda e, por consequência, uma queda que, mesmo em baixa velocidade, poderia trazer problemas. Com o aumento constante da frota de motocicletas, o órgão estatal regulador da emissão de poluentes, o Conama, introduziu neste ano o PromoT4 (Programa de Controle da Poluição do Ar por Motociclos e Veículos Similares fase 4).

Esta fase do programa observa as emissões evaporativas, ou seja, os poluentes resultantes da evaporação de combustíveis e lubrificantes que vão para a atmosfera a partir da volatilização em seus reservatórios. Segundo Renato Linke, da Cetesb, 10% das emissões evaporativas são causadas pelas motocicletas.

vei14-honda-xre190Nos automóveis este aspecto já é cuidado com os sistemas de vedação do tanque de combustível e do óleo do motor com a queima dos gases evaporados e o mesmo caminho será seguido pelas motos.

Na XRE190, além do novo motor, nota-se a presença deste sistema na vedação do tanque com uma nova tampa a prova de perda de gases que apresenta, também, um design mais harmonioso. O novo motor é da família FlexOne e se mostrou bastante eficiente em qualquer faixa de rotação.

O torque máximo é de 1,66 (álcool) e atende um amplo espectro de utilizações que, somado ao peso de 127 quilos, relativamente baixo, resulta em uma boa performance.

vei16-honda-xre-190

Fotos: Divulgação / Honda

Injeção Eletrônica – A injeção eletrônica possibilita uma suavidade nas acelerações e contribui para produzir no motor uma resposta sempre rápida. Além disso, o câmbio de cinco marchas está bem casado com o propulsor, preparado para rodar com conforto até a casa dos 90 quilômetros por hora.

Considerando as características das nossas ruas e suas superfícies sempre irregulares com buracos, remendos e valetas, a utilização de uma on-off road já é uma boa opção para o cenário urbano.

Além de superar estes obstáculos com ótimo desempenho em manobras, aliado ao seu peso reduzido, a Honda XRE190 oferece também a possibilidade de trafegar fora de estrada e em estradas de terra com um adicional de conforto proporcionado pela ergonomia, a suspensão bem calibrada e com toda a segurança garantida pelo freio ABS. O preço de R$13,30 mil está compatível com o seu conteúdo e sua performance.

Ficha Técnica:

✔ Motor — Monocilíndrico flex de 184,4cc refrigerado a ar / Injeção eletrônica / Duas válvulas comandadas por eixo no cabeçote

✔ Potência — 16,3cv (G) e 16,4cv (E) a 8500rpm

✔ Torque — 1,66 Kgfm (G) e 1,66 (E) a 5500rpm

✔ Transmissão — Câmbio 5 marchas e tração por corrente

✔ Dimensões — Comprimento 2.075mm; Largura 821mm; Altura 1179mm

✔ Capacidade do tanque — 13,5 litros

*Colaborador

Ford Fusion Hybrid: tecnologia e economia

José Oswaldo Costa* (Publicado no Diário do Comércio – Edição: 28/10/2016)

do Rio de Janeiro / RJ

vei1-fusion-hybrid-divulgacao-ford-do-brasil-wanderley-affonsoA Ford apresentou a linha 2017 do sedan de luxo Fusion, com motores 2.5 bicombustível (167/175 cv) e 2.0 turbo (248 cv), no mês passado. Agora a montadora completa a linha com o lançamento da versão híbrida do modelo. O Brasil recebeu essa versão, pela primeira vez, em 2010.

Desde então, o Fusion se tornou o líder de vendas desse nicho (52% de participação), que concentra diversos segmentos (crossovers, hatches compactos, sedans médios, etc). Segundo a Ford, entre 2013 e 2016, esse mercado teve um crescimento nas vendas de 190%.

Ainda de acordo com a montadora, entre janeiro de 2010 e setembro de 2016, o Fusion Hybrid emplacou 1.810 unidades. Em segunda lugar aparece o Toyota Prius com 876 unidades comercializadas. Outros modelos que constam da lista são: BMW i3 (127 unidades); Lexus CT 200h (115 unidades) e Mitsubishi Outlander PHEV (55 unidades). Os demais modelos, juntos, emplacaram 485 unidades. Números apresentados pela Ford do Brasil.

Atenta à tendência mundial onde os consumidores procuram veículos mais amigáveis ao meio ambiente, a montadora informou que fará um investimento de US$4,5 bilhões, até 2020, para o desenvolvimento da novos modelos eletrificados. Essa estratégia global prevê o lançamento de 13 novos modelos com esse tipo de tecnologia nos próximos quatro anos. O planejamento é feito para que 40% da linha da montadora seja formada por veículos elétricos.

vei2-fusion-hybrid-divulgacao-ford-do-brasil-reinaldo-canatoDurante a apresentação do Ford Hybrid, a montadora foi questionada sobre o por quê de utilizar a tecnologia em um modelo tão grande (sedan de luxo) enquanto, em outros mercados, tudo indica que os veículos elétricos e híbridos serão, em sua maioria, compactos e subcompactos.

A resposta faz sentido quando pensamos nas particularidades do mercado nacional. A Ford entende que tanto os clientes que compram esses veículos quanto o próprio segmento (sedan de luxo) são bastante influentes no mercado em geral. Pode-se dizer que são “formadores de opinião”.

Ou seja, é muito mais fácil um comprador do segmento de compactos se encantar com uma tecnologia (e desejá-la) após associá-la a um segmento que, para ele, é apenas sonho de consumo. Após perceber que veículos de luxo utilizam a tecnologia híbrida, por exemplo, ele terá muito menos barreiras e preconceitos para adquirir um compacto com tecnologia similar.

“O Fusion Hybrid é uma vitrine de tecnologia da marca no Brasil e no mundo. Ele é um exemplo dos avanços da Ford em eletrificação, sustentabilidade, segurança e conforto. Tem um alto conteúdo de inovação e, não por acaso, é um dos produtos com os clientes mais satisfeitos do nosso mercado”, disse Lyle Watters, presidente da Ford América do Sul.

O objetivo do Fusion Hybrid é entregar a máxima eficiência em consumo com o mínimo impacto em performance. Para tanto, o modelo utiliza um motor 2.0 de ciclo Atkinson de 143 cv e 175 Nm de torque associado com um elétrico que utiliza uma bateria de íons de lítio com capacidade de 1,4 kWh. A potência combinada é de 190 cv.

vei5-fusion-hybrid-divulgacao-ford-do-brasil-wanderley-affonsoAutocarregável, a bateria não necessita de carregamento em rede externa de energia. A garantia que a Ford fornece para ela é de 8 anos. O sistema de freios regenerativos aproveita a energia das frenagens para recarregar a bateria. Ele atua de forma modulada, simulando o freio-motor (marcha reduzida) no primeiro estágio para desacelerar o veículo suavemente. Já nas frenagens bruscas, funciona como os freios convencionais, sem regeneração.

De acordo a montadora, o Fusion Hybrid é capaz de fazer 16,8 km/l na cidade e 15,1 km/l na estrada. A diferença favorável ao trânsito urbano explica-se pelo fato de que o motor elétrico é muito mais acionado no anda e para das cidades, em trechos lentos, do que na estrada, quando a potência é mais exigida e, dessa forma, o motor à gasolina é mais utilizado.

A transmissão é do tipo CVT e, assim como ocorre nas demais versões da linha 2017, a alavanca do câmbio foi trocada por um sistema seletor rotativo. O modo Low, acionado por um botão no console, ajuda a segurar o carro em descidas usando o freio-motor. Ele mantém a velocidade selecionada pelo motorista e otimiza o carregamento da bateria, atuando como uma marcha reduzida.

Interessante a função de segurança presente nesse câmbio. Se a porta do carro for aberta, o câmbio entra automaticamente no modo de estacionamento (P).

vei3-fusion-hybrid-divulgacao-ford-do-brasil-wanderley-affonso Modelo será vendido somente na versão Titanium

 O Ford Fusion Hybrid será vendido, a partir de novembro, somente na versão topo de linha Titanium. Como principais novidades, traz tecnologias como piloto automático adaptativo com stop and go, alerta de colisão com assistente autônomo de frenagem, assistente autônomo de detecção de pedestres e estacionamento automático de segunda geração para vagas paralelas e perpendiculares.

Também estão presentes os sistemas de alerta de ponto cego e permanência em faixa, sensor de fadiga, monitoramento 360 graus, cintos traseiros infláveis e rodas de 18 polegadas.

A lista de equipamentos inclui ainda 8 airbags, controles de estabilidade e tração, freios ABS com distribuição eletrônica de frenagem, assistente de partida em rampas, alerta de tráfego cruzado, faróis full LED, sistema multimídia da versão Sync 3, ar-condicionado de duas zonas,partida remota, teto solar, entre outros. O modelo recebeu nota máxima em segurança dada pelos principais órgãos reguladores dos Estados Unidos.

O painel interativo com é um recurso exclusivo do Fusion Hybrid que permite várias interações com o veículo. Composto de duas telas de LCD configuráveis, de 4,2 polegadas cada, traz informações como nível de carga da bateria, consumo de combustível e autonomia. O Ecoguide sinaliza quando o motorista está dirigindo de modo mais sustentável, com aceleração suave e sem freadas bruscas, com desenhos de “folhas de eficiência” na tela.

vei4-fusion-hybrid-divulgacao-ford-do-brasil-reinaldo-canatoOutra função é o Ecoselect. Acionado por um botão no console, ele prioriza o consumo de combustível e a redução de emissões, tornando as acelerações mais suaves e otimizando a carga da bateria pelo sistema de frenagem.

O veículo conta também com o modo EV+, um sistema inteligente que reconhece os destinos mais frequentes por meio do GPS integrado ao sistema multimídia e prioriza o uso do motor elétrico e a economia de combustível. O sistema requer um tempo de duas a quatro semanas de uso para processar os registros e otimizar as rotas, reconhecendo a topografia e velocidade de cada trecho.

A grade dianteira com controle ativo é um novo recurso que aumenta a eficiência aerodinâmica e a economia de energia. Ela se fecha automaticamente quando não há necessidade de refrigerar o motor para reduzir o arrasto de ar.

As novidades no visual incluem a grade dianteira cromada, molduras e faróis full LED com luz diurna de assinatura e lanternas traseiras de LED com desenho unido por um friso cromado. Há também o aerofólio integrado na tampa e ponteiras duplas de escapamento cromadas. O modelo oferece sete opções de cores: branco, preto, azul, vermelho, cinza e duas tonalidades de prata.

Os bancos são revestidos em couro microperfurado contam com ajuste elétrico de 10 posições e memória para motorista e passageiro, além de sistema de aquecimento e refrigeração.

fusion-hybrid-14

Fotos: Divulgação / Ford do Brasil / Reinaldo Canato / Wanderley Affonso

O preço sugerido pela Ford para o Fusion Hybrid Titanium é R$159,50 mil. Para fins de comparação, apresentamos os preços de alguns concorrentes citados anteriormente: Toyota Prius Hybrid 1.8 16V – R$122,98 mil; BMW i3 Rex E Drive Full – R$222,62 mil; Lexus CT200h 1.8 16V Hybrid – R$149,90 mil e Mitsubishi Outlander PHEV Hybrid 2.0 16V 4×4 – R$201,92 mil. Preços consultados na tabela da Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe).

*o colaborador viajou a convite da Ford do Brasil

Chevrolet Camaro chega à sexta geração

Da Redação

camaroO Camaro chega à sexta geração mais potente, tecnológico e refinado. O estilo Muscle Car que consagrou o modelo anterior foi mantido, porém, agora com uma linguagem mais contemporânea.

Os avanços estão presentes no conjunto mecânico. O novo motor V8 de 6.2 litros e injeção direta entrega 461 cv e 62,9 kgfm de torque A transmissão é de 8 marchas com sistema Active Select, que permite trocas automáticas ou manuais por meio de aletas atrás do volante.

A cabine do Camaro 2017 traz avançados recursos, como painel customizável, Heads-up Display, multimídia Mylink com Android Auto e Apple Car Play, alto-falantes Bose, carregador wireless para smartphone, volante com aquecimento, bancos dianteiros com ventilação, ajuste elétrico e memória, ar-condicionado dual zone, além de partida remota da ignição.

camaro3

camaro5Outra novidade é o intensificador de som do motor para a cabine, que torna o ronco mais envolvente à medida que o giro do propulsor sobe.

O cupê da Chevrolet adiciona ainda seletor de modo de condução (Drive Mode Selector), sistema de vetorização do torque, freios de alta performance Brembo com assistência de frenagem de urgência, alertas anti-distração, oito airbags, pneus mais largos, teto solar, faróis de xenônio e lanternas com LEDs.

Uma das atrações do Salão do Automóvel de São Paulo, a nova geração do Camaro chega às concessionárias a partir de novembro. As 100 primeiras unidades serão da série limitada Fifty, comemorativa aos 50 anos do lendário cupê norte-americano e que traz acabamentos exclusivos.

camaro2A configuração SS conversível também estará disponível no mercado brasileiro. A previsão é que ela estreie nas lojas no fim do primeiro trimestre do ano que vem.

camaro4Em relação às dimensões, o novo Camaro está ligeiramente mais baixo e compacto que o anterior para otimizar a performance.

                                           6ª Geração         5ª Geração
Comprimento (mm):     4.784                     4.836
Largura (mm):                 1.894                     1.917
Altura (mm):                    1.340                     1.371
Entre-eixos (mm):         2.812                     2.852

O mais potente Camaro SS de todos os tempos chega ao Brasil equipado com o novo motor V8 6.2L, o mesmo do Corvette Stingray.

camaro6Cerca de 20% dos componentes do motor, no entanto, foram desenvolvidos especificamente para atender às especificações do Camaro, incluindo um sistema de escapamento tubular em forma de “Y”.

Este propulsor oferece tecnologias avançadas, como a nova geração do sistema AFM (Active Fuel Management) de desligamento automático dos cilindros. Em velocidades de cruzeiro, como em uma viagem tranquila por uma estrada, o sistema de gerenciamento do motor desativa metade dos cilindros para poupar combustível.

O motor do Camaro ainda traz sistema de injeção direta de combustível e comando de válvulas continuamente variável, que aumenta a oferta de torque e potência dentro da faixa de rotação do motor. Tudo para oferecer alta performance e eficiência energética – o carro está até 20% mais econômico.

Em comparação ao modelo de geração anterior, a linha 2017 ganha 55 cavalos de potência e 7 kgfm de torque. Ao todo são 461 cv a 6.000 rpm e 62,9 kgfm a 4.400 rpm, números surpreendentes mesmos para veículos desta categoria. A tração é traseira, como em carros de competição.
O Novo Camaro é produzido nos Estados Unidos. Desde que foi lançado no Brasil, no fim de 2010, teve mais de 5 mil unidades emplacada no País.

camaro7

Fotos: Divulgação / General Motors do Brasil

Uso do celular ao volante passará a ser multa gravíssima a partir de novembro

Da Redação

Apesar do uso do telefone celular ser uma infração já prevista no Código de Trânsito Brasileiro (CTB) desde 1997, hoje, outras funções acrescentadas ao aparelho, e seu constante uso pelos motoristas enquanto dirigem, fizeram com que aumentasse o número de autuações dessa natureza. De acordo com o Departamento Estadual de Trânsito (Detran) de São Paulo, houve alta de 43,3% nas multas aplicadas em razão desse tipo de infração em 2015, quando comparado com o montante contabilizado em 2010.

Se há quase 20 anos o risco maior era o condutor usar o celular para fazer alguma ligação enquanto dirigia, agora há ainda outros recursos que desviam a atenção dele, como, por exemplo, enviar mensagens de texto e checar as redes sociais. De acordo com pesquisas realizadas pela Universidade de Utah, nos Estados Unidos, manusear o celular enquanto dirige aumenta em até 400% a possibilidade do condutor se envolver em algum acidente.

Por isso, a partir de novembro, o motorista que for flagrado manuseando o celular deixará de cometer uma infração média e passará a ser enquadrado como autor de falta gravíssima, segundo o CTB. Desta forma, perderá 7 pontos na Carteira Nacional de Habilitação (CNH) e terá que pagar uma multa de R$293,47.

“É sabido que acidentes decorrem de decisões tomadas em segundos. Para digitar uma mensagem de texto o motorista desvia a atenção da condução por diversos segundos. Ao desviar a atenção para ler uma mensagem serão, no mínimo, cinco segundos. Se ele estiver a 80 km/h, terá percorrido aproximadamente 100 metros sem ver o que está acontecendo do lado de fora do carro”, alertou a especialista em segurança no trânsito e responsável pela área de educação do Observatório Nacional de Segurança Viária (ONSV), Roberta Mantovani.

Ela destaca, ainda, que as distrações ao volante abrangem quatro dimensões: visuais (quando o condutor desvia o olhar da via para realizar alguma tarefa alheia à direção, como ler uma mensagem ou olhar para o telefone com o objetivo de atender uma ligação); cognitiva (ao pensar sobre algum assunto ao qual está falando ao telefone, prejudicando a reação frente alguma necessidade no trânsito); física (quando o motorista tira uma das mãos do volante para executar tarefas como discar um número no telefone ou digitar uma mensagem de texto); e auditiva (a atenção do motorista volta-se para os sons do telefone, provocando perda de percepção auditiva de uma sirene ou buzina de outro veículo, por exemplo).

“Para que o condutor faça escolhas seguras é preciso que tenha a percepção do risco envolvido nas mais diversas situações de trânsito, entre elas aquelas que envolvem as distrações ao dirigir. Estimular uma cultura de autoproteção e autocuidado contribui para a construção dessa percepção de risco. É preciso investir em política de segurança viária, melhorando permanentemente as leis, fiscalizando, formando, melhorando a segurança dos veículos e das vias e ainda o atendimento aos eventos de trânsito”, salientou Roberta.

Um dos caminhos para aumentar a segurança no trânsito é a melhor formação dos motoristas. É preciso atentá-los quanto aos riscos de alguns comportamentos durante a condução. Para tal, a tecnologia contribui de modo fundamental para a conscientização e preparação. É o caso da inclusão do simulador de direção veicular na etapa antes de o candidato partir para a prática nas ruas. Cinco das 25 aulas para obter a CNH devem ser realizadas no simulador. O equipamento permite que o condutor experimente com segurança como o uso do celular ao volante, por exemplo, prejudica a atenção.