Volvo XC60 D5 recebe motor diesel para a linha 2017

Da Redação

VolvoA Volvo Cars apresentou a linha 2017 do utilitário esportivo XC60 – o modelo mais vendido da fabricante sueca no País – com uma importante novidade: o motor diesel na configuração D5, com 220 hp.

A robustez do propulsor – de 2,4 litros, turbodiesel e cinco cilindros – é também acompanhada de muita força. São 440 N.m de torque máximo alcançados entre 1.500 e 3.000 rpm. De acordo com dados do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro), o XC60 D5 recebeu a classificação “A” do Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular, com 9,5 km/l na cidade e 12,4 km/l em estrada. Com um tanque de combustível de 70 litros, o modelo pode atingir 868 quilômetros de autonomia.

Volvo4O XC60 diesel está equipado com sistema de tração integral AWD com diferencial central de acoplamento viscoso, que distribui a força do motor para as quatro rodas em qualquer circunstância e condição de uso. No caso de perda de aderência, por exemplo, o torque enviado às rodas varia de acordo com a necessidade, mantendo a dirigibilidade de referência do modelo.

O utilitário esporte da Volvo é equipado com transmissão automática Geartronic de seis velocidades e paddle shifts na coluna de direção.

Na linha 2017, o XC60 D5 é oferecido em duas versões de acabamento: Kinetic e Momentum.

Volvo3Banco dianteiro elétrico com memória para o motorista, ar-condicionado digital de duas zonas com sistema de controle de qualidade do ar multiativo (Clean Zone), função start/stop, espelhos retrovisores elétricos retráteis com desembaçador e memória, faróis de xênon com acendimento automático e controle direcional ativo, luzes sinalizadoras dianteiras de LED, piloto automático, freio de estacionamento elétrico e rodas de alumínio de 18” são alguns dos equipamentos de série.

A versão Momentum inclui banco com regulagem elétrica também para o passageiro, painel de instrumentos digital de 8” com três modos de tela, teto solar elétrico, câmera traseira de estacionamento, além de suporte lombar com regulagem elétrica do assento dianteiro e sistema de navegação por GPS (com mapas em 3D e informações de tráfego em tempo real).

Volvo5O sistema de entretenimento conta com display central com tela de 7″ e DVD player. O áudio de alta performance é reproduzido em 8 alto-falantes.

O XC60 oferece de série o City Safety, um sistema de assistência ao condutor para evitar ou reduzir colisões com o veículo da frente em velocidades reduzidas. Ao detectar a falta de reação do motorista a uma possível colisão, o sistema aciona imediatamente os freios até a parada total do veículo.

O modelo é também equipado com seis airbags, controle avançado de estabilidade (ASC), controle dinâmico de estabilidade e tração (DSTC), monitoramento de pressão dos pneus e sistemas de proteção contra lesões na coluna cervical e de impactos laterais. O banco traseiro conta com Isofix para fixação de cadeiras infantis e assentos integrados para crianças.

O XC60 D5 se beneficia da tecnologia de última geração ao disponibilizar o Volvo On Call, um serviço de segurança, proteção e conveniência que oferece assistência 24h, auxílio de emergência e localização, em caso de roubo ou furto. O sistema dispõe de um aplicativo para smartphone e smartwatch que conecta o motorista ao seu veículo.

Volvo2

Fotos: Divulgação / Volvo Cars

O Volvo On Call está integrado ao sistema Sensus Connect, uma solução completa de entretenimento e conectividade, que oferece serviços de streaming de música, rádio e podcasts online, navegação e serviços, como a busca por pontos de interesse, postos de gasolina e estacionamento, entre outros.

O XC60 D5 chega à rede de concessionárias da marca no Brasil com preço especial de lançamento durante o mês de agosto: R$199,95 mil na versão Kinetic e R$224,95 mil na Momentum. O modelo é responsável por 53% das vendas da Volvo Cars no mercado nacional. Entre janeiro e julho deste ano, o SUV premium sueco acumulou 1.179 unidades vendidas.

Linha 2017 do Chevrolet Spin traz novidades tecnológicas

José Oswaldo Costa

Spin Activ3O Chevrolet Spin, na sua linha 2017, traz algumas novidades mecânicas e tecnológicas. A mais importante delas é a nova grade do radiador ativa (Active Grille Shutters). Esse novo sistema abre e fecha, automaticamente, as aletas presentes na grade frontal para melhorar a aerodinâmica e, por consequência, o consumo de combustível.

O sistema observa condições de de velocidade do veículo e a necessidade de refrigeração do motor, além de ser inédito em modelos de produção nacional. Dessa forma, restringe ou libera a entrada de ar no compartimento. De acordo com a GM, os principais benefícios são:

• Redução no arrasto aerodinâmico
• Redução das emissões de CO2 e consumo de combustível
• Retenção de calor no compartimento do motor em ocasiões de partida fria
• Melhor desempenho do veículo no que diz respeito à velocidade máxima e aceleração
• Redução de ruído devido a isolamento acústico no compartimento do motor
• Direcionamento do fluxo de ar

“A grade ativa do radiador é uma tecnologia comum apenas em carros importados mais sofisticados e ajuda a reduzir o consumo do Spin em cerca de 30%. Na prática, é como se o consumidor ganhasse quase quatro meses de combustível no ano”, calculou Fabiola Rogano, vice-presidente de Engenharia da General Motors.

Spin

Motor – O motor 1.8 é de nova geração e passa a entregar maior potência: 111 cv e 17,7 kgfm de torque (com etanol). A geração anterior rendia 108 cv e 17,1 kgfm de torque com o mesmo combustível. O desempenho em termos de consumo, segundo a Chevrolet, é o seguinte: Gasolina: 13,7 km/l – estrada e 11,8 km/l – cidade / Etanol: 9,4 km/l – estrada e 8,1 km/l – cidade.

Câmbio – A novidade fica para a transmissão manual, que passa a ser de 6 marchas. Mesmo número de marchas do câmbio automático. O quadro de instrumentos agora traz um alerta (através de um ícone que se acende) para mudanças de marcha em um momento ideal, para aumentar a economia de combustível.

Outra boa notícia é que o Chevrolet Spin ganhou direção elétrica progressiva em substituição à antiga hidráulica. Molas, amortecedores e batente da suspensão foram recalibrados. O modelo passa a contar com o serviço OnStar da GM, já presente em outros modelos como o Cruze e o Cobalt.

Spin OnStarA linha 2017 do Spin incorpora uma nova versão de entrada, a LS. Além disso, reedita a versão Advantage (intermediária), agora com transmissão automática.

Os preços sugeridos pela General Motors para a linha 2017 do Chevrolet Spin são os seguintes:

Cinco lugares:

LS (manual) – R$57,99 mil

LT (manual) – R$61,49 mil

Advantage (automática) – R$66,99 mil

Spin Advantage

Activ (automática) – R$69,99 mil

Spin Activ

Spin Activ2

Sete lugares:

LTZ (manual) – R$67,99 mil

LTZ (automática) – R$71,99 mil

Spin LTZ

Spin2

Fotos: Divulgação / General Motors do Brasil

Volvo 144, primeiro modelo da marca sueca a superar 1 milhão de unidades vendidas, completa 50 anos

Da Redação

Volvo 142

Um dos veículos mais emblemáticos da Volvo Cars completa 50 anos de história. E as curiosidades do primeiro modelo da marca a atingir mais de um milhão de carros fabricados começou já em 17 de agosto de 1966, data de sua apresentação.

Os carros utilizados no show em Gotemburgo foram colocados no local na noite anterior, escondidos dentro de grandes caixas de madeira. Naturalmente, o procedimento tinha que ser realizado com a maior discrição possível, mas isso ficou difícil em razão de uma grande caçada a dois assassinos de policiais. Um alerta em âmbito nacional foi emitido e na hora em que as caixas de madeira estavam sendo içadas para dentro das salas de reunião, a polícia foi alertada que ambos os fugitivos poderiam estar no cinema, ao lado, que teve que ser evacuado… Quase quatrocentos jornalistas estavam presentes nas salas de reunião no distrito de Lorensberg, centro de Gotemburgo. O novo Volvo 144 estava prestes ser apresentado, revelado com a elevação de uma parede atrás da qual aguardavam três modelos pré-série. Rumores sobre o novo veículo sueco circulavam há bastante tempo e, o que a imprensa finalmente viu, era um veículo austero e moderno. Simultaneamente à apresentação, o 144 era também revelado nas cidades de Oslo, Copenhague e Helsinque.

Em junho de 1960, a Volvo tomou a decisão final quanto às diretrizes básicas do novo automóvel. O P660, como o projeto foi designado, seria maior que o Amazon, mas com a mesma classe de peso e preço. Deveria cumprir exigências rígidas de segurança e transportar quatro ou cinco pessoas confortavelmente. Além disso, o automóvel teria a mesma distância entre-eixos que os seus antecessores, o PV 544 e o Amazon. Ao contrário de quando o Amazon foi desenvolvido, várias versões diferentes de chassi foram planejadas desde o início do projeto.

Volvo 142

Com a série 140, a Volvo introduziu um esquema de nomes no qual o primeiro dígito designava a série do modelo, o segundo dígito o número de cilindros e o terceiro dígito, o número de portas.

A produção em massa da série 144 começou dois dias depois da apresentação, em 19 de agosto de 1966. Um ano depois, o modelo 142, de duas portas, foi lançado e, em 1968, a produção do 145 começou. Um veículo muito próximo era o 164, que chegou ao mercado em 1969. Ele compartilhava com a série 140 muitos componentes do chassi, mas a distância entre-eixos foi estendida em 10 cm e a frente ficou mais comprida para acomodar o motor B30, de seis cilindros em linha. Mais uma versão de chassi foi lançada em 1970. Era o espaçoso transportador de cargas Volvo 145 Express, que tinha o teto elevado a partir da coluna B para trás.

O designer-chefe Jan Wilsgaard também estava por trás das linhas elegantes do Amazon e, apesar as diferenças, pode se ver semelhanças entre os modelos. Havia um forte desejo de ter o desenho da entrada de ar frontal que lembrava o do Amazon. As laterais que alargaram as portas abaixo das janelas também eram semelhante ao do Amazon, embora no 144 essa característica fosse ainda mais destacada. Como o Amazon, o 142 e o 144 tiveram luzes traseiras verticais.

A série 140 incluía diversos avanços importantes no que diz respeito à segurança, tanto passiva como ativa. O chassi estava extremamente resistente à torção e estava equipado com zonas de deformação e santantônio. O sistema de frenagem consistia em freios a disco tanto dianteiro como traseiro, junto com um sistema de circuito duplo com circuitos hidráulicos duplos dianteiros. Isso fornecia repartição tripla dos circuitos para que, se houvesse falha num circuito, ainda funcionariam os dois freios na frente e um atrás. Além disso, haviam válvulas redutoras para evitar que as rodas travassem durante uma frenagem muito forte, uma solução usada primeiro pela Volvo. Uma coluna de direção dividida e um painel com estrutura de proteção contra colisão eram outros destaques de segurança. Mais tarde, a série 140 também ficou equipada com encostos de cabeça, cintos de segurança retratáveis e lembretes de apertar o cinto de segurança como padrão.

Volvo 142
Fotos: Divulgação / Volvo Cars

A série 140 da Volvo contava com tração traseira. Inicialmente, utilizou o motor B18, de 1,8 litros e quatro cilindros, do Amazon, que produzia 75 hp – ou 96 hp com carburadores duplos. O modelo de 1969 tinha um motor B20, 2 litros, que produzia 82 hp e 100 hp, respectivamente. Desde o modelo de 1971, também havia versões com injeção de combustível eletrônica, gerando 120 hp.

Quando terminou a produção do 142, 144 e 145 no fim do verão de 1974, a linha de montagem havia produzido 1.251.371 automóveis, a primeira da empresa a romper esse patamar, e contribuiu para avançar a posição da Volvo como player internacional. O legado da série 140, entretanto, estendeu-se até 1993. O seu substituto, o Volvo 240, emprestou muito de seu chassi, sendo o modelo que a Volvo mais produziu em massa num período de 19 anos.

Mitsubishi apresenta a L200 Triton Sport

José Oswaldo Costa (Publicado no Diário do Comércio – Edição: 12/08/16)

Vei1 - Mitsubishi L200 Triton Sport - Divulgação - Mitsubishi MotorsA montadora japonesa acaba de lançar uma nova versão para sua picape-média: a L200 Triton Sport. O modelo passou por completa reformulação para encarar concorrentes, como as novas Toyota Hilux, Ford Ranger, Chevrolet S10, e chega à sua quinta geração. Ela é produzida na planta da Mitsubishi Motors em Catalão (GO).

“A nova L200 Triton Sport é a evolução de um projeto de muito sucesso e ousadia. Carrega toda a experiência de quase 40 anos que a Mitsubishi Motors tem no desenvolvimento de picapes. Em sua quinta geração, o projeto foi concebido sob o conceito Ultimate Sport Utility Truck, com estilo dinâmico e atlético, esportividade e prazer ao dirigir; sofisticação, conforto e silêncio similares a um veículo de passeio; além do máximo em praticidade e durabilidade para usos comerciais. Sem dúvida, é a evolução de um produto confiável e com muita aptidão off-road“, afirmou Reinaldo Muratori, diretor de engenharia e planejamento da Mitsubishi Motors do Brasil.

Com chegada nas concessionárias da marca prevista para o mês de outubro, são três opções para a nova versão: L200 Triton Sport HPE Top, L200 Triton Sport HPE e L200 Triton Sport GLS. As duas primeiras passam a ser topo de linha do portfólio.

Além delas, a linha Triton continua contando com as seguintes opções: Savana (manual e automática), Outdoor (automática), Outdoor 2.4 Flex, GLX e GL. Importante destacar que somente a Triton Sport contará com as mudanças da nova geração. As demais permanecem como quarta geração.

O motor utilizado é um novo 2.4 turbodiesel, em alumínio (redução de 30 kg), capaz de render 190 cv e 43,8 kgfm de torque. A relação peso/potência é de 10,2 kg/cv. Ele conta com o sistema MIVEC (Mitsubishi Innovative Valve timing Electronic Control system), que atua no comando de válvulas, sendo capaz de entregar alto torque em baixas rotações e mais potência em regimes elevados. O câmbio é automático de cinco marchas com possibilidade de trocas manuais através de paddle shifts atrás do volante. Na Sport GLS é manual de seis marchas.

290391_628277_1391._l200_triton_sport_russia_04 (2)O sistema de tração, denominado Super Select II, oferece os seguintes modos de operação: 4×2, 4×4 (que pode rodar no asfalto), 4×4 com bloqueio do diferencial central e 4×4 reduzida. A seleção é feita através de um novo botão, no console central, que facilita o uso. O bloqueio do diferencial do eixo traseiro também está presente. Ao todo, a nova picape permite até 20 combinações de marcha, mostrando toda a sua aptidão off-road.

Segurança – A Mitsubishi L200 Triton Sport oferece a proteção de nove airbags – frontais, laterais, de cortina e para o joelho do motorista. Ainda nesse quesito, a picape apresenta controles de estabilidade (ASC) e tração (ATC), assistente de partidas (HSA) e descidas (HDC) em rampas, freios com ABS, EBD e BAS e sinalização de frenagem de emergência. O sistema Isofix, para fixação de cadeirinhas infantis, também faz parte dos equipamentos.

De acordo com a montadora, “a nova Suspensão SDS II tem barra estabilizadora expandida e molas helicoidais mais rígidas, que trabalham em perfeita harmonia com os amortecedores. Na dianteira é independente, com braços triangulares duplos, amortecedores hidráulicos, molas helicoidais e barra estabilizadora. Na traseira, eixo rígido e molas semielípticas”. Isso significa dizer, ainda segundo a Mitsubishi, que o rodar da L200 Sport é tão confortável quanto o do crossover Outlander, chegando a lembrar o de um sedan, uma vez que não transfere o desconforto gerado pelas irregularidades do solo para o interior, mesmo sem carga na caçamba. A assessoria de imprensa informou que a melhora no conforto ao rodar também obteve muito êxito em trilhas off-road  e que diversos materiais isoladores foram estrategicamente posicionados para minimizar os ruídos provenientes do motor, rolamento do pneu e até do vento.

Os números para o off-road, divulgados pela Mitsubishi, são os seguintes: Ângulo de Entrada: 30º; Ângulo de Saída: 22º; Ângulo de Rampa: 26º; Inclinação Lateral: 45º; Altura Livre do Solo: 220 mm e Travessia com Água: 600 mm.

O modelo foi equipado com um dissipador de água para trechos alagados. Com ele, ao invés da água ser jogada para o para-brisas, atrapalhando a visão do condutor, é direcionada para as laterais.

A caçamba está com paredes mais altas e, com isso, se tornou mais funda e com capacidade volumétrica aumentada. A capacidade de carga é para 1.075 kg.

290391_626809_1390._l200_triton_sport_japao_painel (2)Interior – O interior é totalmente novo. Como ocorre com as novas gerações, de todas as marcas e modelos, muito uso do material preto brilhante conhecido como black piano, que aumenta a sensação de requinte. As cores utilizadas no acabamento interno são cinza e preto.

No quadro de instrumentos, foi abandonado o mostrador central, sobreposto em cima de dois laterais. No lugar, apenas dois tradicionais (velocímetro e conta-giros), lado a lado, com tela digital entre eles trazendo informações da picape. As saídas de ar centrais estão maiores e os comandos do sistema de ar-condicionado digital, de duas zonas, são totalmente novos.

O volante multifuncional – com ajustes de altura e profundidade – apresenta desenho reformulado e mais botões (comandos do áudio, piloto automático e acesso ao telefone por Bluetooth). A aparência geral do interior da nova L200 Triton Sport é de maior sofisticação e requinte.

Chamam a atenção o sistema multimídia com tela sensível ao toque de 7 polegadas e os novos bancos em couro que, no caso do motorista, apresenta regulagem elétrica. O estofado deles foi aumentado e, os dianteiros, estão mais largos. São 16 porta objetos espalhados pela cabine. A picape é equipada com botão Start/Stop para partida sem chave, câmera de ré e sensores de chuva, luminosidade e estacionamento.

290391_626810_1390._l200_triton_sport_japao_multimiidia_ar (2)Exterior – Os faróis são bi-xênon com luzes diurnas em LED. As maçanetas são cromadas e os espelhos retrovisores, também cromados e com luzes de seta integradas, são rebatíveis eletricamente. Na nova dianteira, destaque para os novos desenhos da grade do radiador, dos faróis e do para-choque.

São muito bonitas as lanternas traseiras, com um desenho mais tradicional, dentro dos padrões do segmento. Os elementos que a constituem passam a ser horizontais (luzes de ré e setas, por exemplo). O para-choque ganhou estribo, abaixo da placa, que ajuda a manusear objetos e volumes dentro da caçamba e a subir nela. Maçaneta da tampa traseira e terceira luz de freio agora são peças independentes. As cores disponíveis são as seguintes: branca (duas tonalidades diferentes), prata (duas tonalidades diferentes), cinza, preta, vermelha, marrom e azul.

Através do site (www.noval200triton.com.br), os interessados poderão fazer um cadastro e receber informações sobre a picape.

290391_626803_1581_mitl200_2016_murilomattos_2016 (2)

Fotos: Divulgação / Mitsubishi Motors

 Preços e versões – Os preços sugeridos pela Mitsubishi, para todas as versões da L200 Triton, são os seguintes:

 Sport HPE Top – R$174,99 mil
Sport HPE – R$164,99 mil
Sport GLS – R$131,99 mil

Savana (manual) – R$138,99 mil
Savana (automática) – R$146,99 mil
Outdoor (automática) – R$136,99 mil
GLX (manual) – R$111,99 mil
GL (manual) – R$105,99 mil
2.4 Flex Outdoor – R$91,99 mil

Quadriciclos e UTVs garantem diversão nas trilhas de MG

Da Redação

zz_mundopress_expedicaoQuadrijet_creditoValentinoLuchesi_4_87Os quadriciclos e UTVs conquistam cada vez mais adeptos no Brasil. A BRP é responsável pelas máquinas da Can-Am. Nos últimos dias, os fãs do off-road marcaram presença na Expedição BH a Tiradentes, promovida pela concessionária Quadrijet, de Minas Gerais.
A aventura em solo mineiro teve 400 quilômetros e dois dias (30/7 e 1/8) de duração. O grupo foi formado por 18 pessoas, distribuídas em três UTVs e dez quadriciclos. “O público feminino está cada vez maior, tivemos quatro mulheres na expedição e todas curtiram muito”, contou Neander Gualberto, da Minas Adventure Tour, organizadora do evento da Quadrijet.
“Conhecemos as duas rotas do ouro, as quais tinham Paraty como destino, no trecho entre Belo Horizonte e Tiradentes. Passamos por lugares, fazendas e vilarejos incríveis e com estrutura de ponta e muita segurança”, continuou. A próxima expedição da Quadrijet será entre os dias 25 e 27 de agosto, entre Belo Horizonte e Diamantina, pela Estrada Real.
Sobre a BRP – A BRP (TSX: DOO) é líder global em projeto, desenvolvimento, fabricação, distribuição e comercialização de veículos esportivos e sistemas de propulsão. Seu portfólio inclui os veículos para neve Ski-Doo e Lynx, a moto aquática Sea-Doo, os veículos side-by-side e quadriciclos Can-Am, os roadsters Can-Am Spyder e os sistemas de propulsão marítima Evinrude e Rotaxwell, além dos motores Rotax para karts, motocicletas e aeronaves recreativas. A BRP dá suporte a sua linha de produtos com peças, acessórios e vestuário dedicados.

mundopress_expedicaoQuadrijet_creditoValentinoLuchesi_5

Fotos: Divulgação / Valentino Luchesi / Quadrijet

Audi desenvolve inédito sistema no qual os amortecedores recuperam energia cinética

Da Redação

The innovative shock absorber system from Audi: New technology s
Imagem: Divulgação / Audi AG

Na mobilidade futura, a recuperação de energia tem uma importância crescente, inclusive na suspensão dos veículos. A Audi está trabalhando em um protótipo denominado eROT (elétrico rotacional), no qual amortecedores rotativos eletromecânicos substituem os atuais hidráulicos para obter um rodar ainda mais confortável.

O princípio atrás do eROT é simples de explicar: “Cada buraco, lombada ou curva, induz energia cinética no veículo. Os amortecedores atuais absorvem esta energia, que é imediatamente perdida ao ser transformada em calor”, afirmou o Dr. Stefan Knirsch, membro do Conselho para Desenvolvimento Técnico da AUDI AG. “Com os novos amortecedores eletromecânicos, acoplados ao sistema elétrico de 48 volts, podemos utilizar esta energia. O sistema também nos presenteia, e aos nossos clientes, com possibilidades inteiramente novas de ajuste da suspensão.”

O sistema eROT responde de forma rápida e com um mínimo de inércia. Sendo uma suspensão ativamente controlada, adapta-se de forma ideal às irregularidades da superfície e ao estilo do condutor. Uma característica de amortecimento virtualmente livre para ser definida a partir de programas (software) aumenta o campo de aplicação funcional, eliminando a interdependência entre os movimentos de compressão e expansão que limitam o desenvolvimento dos amortecedores atuais. Com o eROT, a Audi pode configurar o amortecimento no ciclo de compressão para ser confortavelmente suave, sem comprometer a absorção de energia necessária durante o ciclo de estiramento. Outra vantagem do novo sistema é sua geometria. Os moto-geradores instalados horizontalmente no eixo traseiro substituem os amortecedores telescópicos verticais, o que permite um ganho adicional de espaço no porta-malas.

O sistema eROT permite ainda uma segunda função paralelamente ao livre ajuste das características de amortecimento, podendo converter energia cinética em elétrica tanto no ciclo de amortecimento como durante o estiramento. Para realizá-lo, um braço mecânico absorve o movimento do cubo das rodas. O braço transmite a força deste movimento por meio de uma série de engrenagens para o moto-gerador, que a converte em eletricidade. O resultado dessa recuperação é de 100 a 150 watts, em média, durante os testes em ruas e rodovias alemãs – entre 3 watts em rodovias recém-pavimentadas a até 613 watts em vias secundárias de piso irregular. Nas condições de uso diárias tradicionais, isso corresponde a uma diminuição na emissão de CO2 de até 3 g/km.

A nova tecnologia eROT baseia-se na utilização de sistemas elétricos de 48 volts. Nas configurações atuais, suas baterias de íons de lítio têm uma capacidade de 0,5 kW/h e um pico de saída de 13 kW. Um conversor DC (corrente contínua) conecta o subsistema de 48 volts ao sistema primário de 12 volts, que inclui um gerador com capacidade elevada e de alta eficiência.

Os resultados iniciais dos testes do eROT são promissores, portanto, sua utilização futura em veículos da Audi certamente é plausível. O pré-requisito para tanto é um sistema elétrico de 48 volts, que é o componente central da estratégia de eletrificação da Audi. Na próxima versão, planejada para 2017, o sistema elétrico de 48 volts servirá como sistema primário em um novo modelo da Audi e alimentará uma tração híbrida de alto desempenho, oferecendo um potencial de economia de combustível de 0,7 litros para cada 100 km rodados.

Mitsubishi apresenta a nova L200 Triton Sport

José Oswaldo Costa

290391_626799_0017_mitl200_2016_murilomattos_2015-2 (2)A Mitsubishi apresentou, hoje, a nova L200 Triton Sport. Essa versão carregará todas as mudanças concebidas para a 5ª geração da picape-média. De acordo com a assessoria de imprensa da marca, com a qual conversamos, “tudo é novo até o último parafuso”.

Ela chega ao mercado no mês de outubro e seu lançamento oficial, para a imprensa especializada, acontecerá no fim de setembro. Naquela oportunidade, os jornalistas poderão dirigir a nova geração em trechos de asfalto e off-road.

São três opções para a Mitsubishi L200 Triton Sport: HPE Top, HPE e GLS. Elas são equipadas com um novo motor 2.4 turbodiesel, todo em alumínio, de 190cv. As duas primeiras, e mais caras, utilizam câmbio automático de 5 marchas com “borboletas” atrás do volante. A GLS usa um manual de 6 marchas.

290391_628277_1391._l200_triton_sport_russia_04 (2)Os preços sugeridos são os seguintes: Sport HPE Top – R$174,99 mil; Sport HPE – R$164,99 mil e Sport GLS – R$131,99 mil.

Leia a matéria completa, com todas as novidades da nova Mitsubishi L200 Triton Sport, no DC Auto (Diário do Comércio) da próxima sexta-feira, dia 12 de agosto.

290391_626809_1390._l200_triton_sport_japao_painel (2)

290391_626803_1581_mitl200_2016_murilomattos_2016 (2)

Fotos: Divulgação / Mitsubishi Motors do Brasil