Volvo apresenta o novo XC40, que chega ao Brasil no início de 2018

Da Redação

Volvo XC40 2A Volvo Cars acaba de lançar no mercado internacional o XC40. Com ele, a fabricante sueca vai oferecer ao consumidor, pela primeira vez em sua história, três utilitários esportivos globais voltados ao setor de mercado que cresce mais rapidamente no mundo.

O XC40 é, também, o primeiro modelo a utilizar a nova plataforma modular da Volvo Cars, a CMA (Compact Modular Arquitecture). Ela será a base dos futuros veículos da série 40, incluindo carros totalmente eletrificados. Co-desenvolvida com a Geely, controladora da marca sueca, a CMA proporciona à fabricante a economia de escala necessária para esse segmento.

Com dimensões de um legítimo SUV, o XC40 apresenta entre-eixos de 2,70 metros; 1,86 metro de largura; 1,65 metro de altura e 4,42 metros de comprimento.

O Volvo FULL LED System incorpora quatro funções aos faróis do veículo:

  • Automatic Bending Lights (ABL): faróis auto-direcionais que acompanham o giro do volante para melhorar a iluminação nas curvas. A inclinação do facho do farol pode chegar a até 30º;
  • Active High Beam (AHB): os faróis possuem um sistema automático que adapta a luz alta para evitar o ofuscamento dos carros que vêm em sentido contrário ou que estejam à frente no mesmo sentido;
  • Nivelamento automático: o facho do farol mantém automaticamente a posição adequada, de acordo com o número de ocupantes e o carregamento do veículo;
  • Daytime Running Lights (DRL) e acendimento automático: desenhadas no formato “T”, a luz de posição diurna contribui para a visualização do veículo, mesmo em dias muito claros. Um sensor de iluminação e detecção de túnel ativa automaticamente o farol baixo em caso de situações de baixa iluminação.

O sistema LED também está presente conjunto de iluminação dos faróis de neblina.

Na traseira, a lanterna característica se identifica com os outros SUVs da Volvo. Com feixes de LED, o conjunto ótico elevado apresenta um desenho marcante que invade a lateral da carroceria.

Volvo XC40 3No porta-malas, um assoalho inteligente pode ser dobrado para levar sacolas ou outras bagagens por meio de ganchos ou para usar o espaço completo sem removê-lo do carro. O mecanismo de rebatimento do banco traseiro fornece um assoalho plano para bagagens com o toque de um botão.

Um espaço privado para armazenamento com trava também é fornecido sob o assoalho do porta-malas.

Volvo XC40 7O sistema multimídia é acessível pela tela antirreflexo sensível ao toque de 9 polegadas de LCD no painel central, que reúne praticamente todos os comandos do veículo em um único lugar. As funções também podem ser acessadas por comando de voz. Como no XC60 e XC90, a integração do smartphone está disponível com os aplicativos Apple CarPlay e Android Auto.

O XC40 apresenta ainda painel de instrumentos digital personalizável de 12,3 polegadas.

Volvo XC40 5O sistema multimídia também integra o Volvo On Call, um serviço de segurança, proteção e conveniência que oferece assistência 24h, auxílio de emergência e localização, em caso de roubo ou furto.

Equipado em todos os modelos Volvo desde 2012 no Brasil, o Volvo On Call garante 100% dos carros recuperados, igual número para os veículos atendidos em acidente. Extremamente útil, permite ao condutor, por meio de seu aplicativo no smartphone, controlar o nível de combustível, trancar e abrir as portas, climatizar a cabine à distância, dar partida remota e enviar destinos para o sistema de navegação, por exemplo.

O utilitário esportivo da Volvo chega equipado com tração integral AWD (All Wheel Drive), que calcula constantemente a distribuição de tração entre os eixos para obter a melhor performance e estabilidade. Até 50% da potência pode ser destinada ao eixo traseiro para melhorar a tração em condições de baixa aderência. O sistema é sempre amparado por um controle dinâmico de estabilidade e tração.

O controle absoluto do veículo se dá também por meio de diferentes modos de condução. São cinco no total, que alteram rotação para mudança de marcha, resposta do acelerador, suspensão e peso da direção:

  • Eco: privilegia economia de combustível;
  • Confort: prioriza suavidade nas reações do veículo;
  • Off-road: para transitar em estradas de terra;
  • Dynamic: para uma condução mais esportiva;
  • Individual: customiza a configuração.

O modelo dispõe de transmissão automática de 8 velocidades acoplada ao motor T4 Drive-E, de 2 litros, 4 cilindros em linha, com turbocompressor, que gera potência de 190 cv a 4.700 rpm e torque de 300 kgfm entre 1.300 e 4.000 rpm.

Volvo XC40Também está disponível para o XC40 o renovado propulsor T5 Drive-E, de 2 litros, 4 cilindros em linha, com turbocompressor e injeção direta de gasolina, com 252 cv.

Em números, o novo utilitário esportivo da Volvo Cars equipado com motor T5 chega a 230 km/h e sai da imobilidade aos 100 km/h em 6,4 segundos.

Além de todos esses recursos, o SUV oferece e abertura e fechamento elétrico da tampa do porta-malas ao passar o pé debaixo do para-choque (função Hands-Free).

Em janeiro de 2018, o novo SUV da Volvo vai entrar em pré-venda no Brasil com preços de R$169,95 mil na versão de entrada, R$189,95 mil na Momentum e R$209,95 mil na R-Design.

O novo XC40 é produzido na fábrica de Ghent, na Bélgica, e seu lançamento no Brasil deverá ocorrer no primeiro trimestre de 2018.

Volvo XC40 4

Volvo XC40 6

Fotos: Volvo Cars / Divulgação

Ford Mustang mostra a evolução dos volantes de direção nos últimos 50 anos

Da Redação

A Ford conta a história da evolução do volante de direção por meio do icônico esportivo Mustang.

No lançamento do primeiro Mustang, em 1964, os volantes eram grandes, finos e, além de comandar as rodas, no máximo incorporavam a buzina. Atualmente, reúnem cada vez mais funções, são digitais e acompanham o avanço da eletrônica embarcada.

Pioneiro entre os carros esportivos de massa, o pony car é também uma referência em design e inovações que ditaram as tendências da indústria.

Veja abaixo, e no infográfico ao fim do texto, a evolução dos volantes mais representativos do esportivo.

1964 – A primeira geração do Mustang introduziu o padrão clássico de capô longo, cabine estreita e traseira curta, que se tornou a assinatura da linha. O interior, de cockpit duplo, tinha um volante emblemático de três raios de alumínio com aro imitando madeira e a buzina no centro. Seu diâmetro grande, de 16 polegadas, facilitava as manobras, já que a assistência hidráulica era opcional.

1967 – A direção ajustável em sete posições permitia escolher a melhor posição para dirigir, além de facilitar a entrada e saída do veículo. A direção assistida com relação mais rápida (20,3:1) dava uma sensação mais esportiva.

1968 – O Mustang introduziu a coluna de direção retrátil para reduzir a possibilidade de lesão em acidentes, aumentando a segurança. O volante de dois raios também ganhou uma seção central maior e almofadada, com o controle da buzina no aro de metal.

1974 – Na segunda geração, o Mustang II ganhou um volante de dois raios revestido em couro. A opção de direção assistida com pinhão e cremalheira permitiu a oferta de um volante menor, de 15 polegadas, em vez do padrão de 16 polegadas.

1979 – O volante de dois raios foi substituído por um de quatro, mais tarde compartilhado com outros carros da Ford. Os comandos do limpador de para-brisa e faróis passaram para uma haste na coluna de direção. O piloto automático, oferecido em versões com transmissão manual, era controlado por botões no volante.

1984 – O Mustang SVO (Special Vehicle Operations), lendária versão de alta performance com motor turbo de quatro cilindros, trouxe um volante de três raios com ajuste de altura e profundidade, aro mais grosso e diâmetro menor, de pegada esportiva. Os logotipos Ford e “SVO” vinham gravados no centro do revestimento de couro.

1990 – O Mustang recebeu seu primeiro airbag de série, instalado no centro do volante. Com isso, a buzina foi transferida para dois botões laterais, acionados pelos polegares do motorista. Os botões do piloto automático também ganharam uma posição mais ergonômica.

1994 – A quarta geração do Mustang fez uma homenagem ao modelo original de 1964, com cockpit duplo e formas esculpidas no painel. Vários comandos ficaram mais fáceis de usar, aumentando a praticidade e segurança. O comando da buzina voltou para o centro do volante, integrado à tampa articulada do airbag.

2005 – O volante de três raios da quinta geração do Mustang fez uma releitura do modelo 1965-1967, com raios de polímero ou, opcionalmente, de alumínio. Diferentemente dos volantes em que se inspirou, era revestido de couro.

2010 – Com a tecnologia SYNC (sistema multimídia da marca), muitos botões foram adicionados para os comandos de voz do telefone, músicas, rádio e outras funções. O emblema central de acrílico foi trocado por um de alumínio polido, estampando o cavalinho ou uma cobra, no caso do Shelby GT500. Os acabamentos de alumínio e couro davam unidade à cabine.

2013 – O volante do Mustang tornou-se o centro de controle de tecnologia do carro. Passou a incluir um botão de quatro vias, além de um “OK” para controle da tela do painel de instrumentos. Nos modelos Boss 302 e Shelby GT500, era revestido de couro Alcantara, inspirado em competições.

2015 – Na sexta geração do Mustang, o volante totalmente redesenhado incorpora até 20 botões. Os da direita comandam o SYNC e o rádio enquanto, os da esquerda, controlam o piloto automático adaptativo e a tela do painel de instrumentos. Os controles de marcha no volante (paddle shift) foram oferecidos pela primeira vez no Mustang com transmissão automática. Seu airbag circular, projetado especialmente, é o único com esse formato em toda a linha Ford. É também o volante de menor diâmetro da marca, com apenas 14 polegadas. Os raios de alumínio têm acabamento nas bordas para que o motorista toque apenas no couro ao segurar o volante.

2017 – O volante do novo Mustang 2018 mostra a grande evolução tecnológica do esportivo, adicionando funções como os modos de direção, controle de arrancada e outros, além dos comandos do quadro de instrumentos, que agora é totalmente digital. Criado com  a colaboração de ex-desenvolvedores de videogames, o quadro de instrumentos de 12 polegadas oferece vários layouts de tela, que pode ser facilmente personalizada e dispõe do recurso MyMode para salvar as configurações preferidas.

EVOLUCAO VOLANTE MUSTANG

Imagem: Ford / Divulgação

Fiat divulga primeiras imagens oficiais do sedan Cronos

Da Redação

Fiat CronosO próximo lançamento da Fiat, o sedan Cronos, mostra todas suas formas. A montadora italiana apresentou suas primeiras fotos oficiais.

O Fiat Cronos é baseado na nova plataforma MP-S (Modular Platform Sedan), concebida exclusivamente para o modelo e destinada à produção na Argentina.

O modelo é equipado com motores 1.3 ou 1.8. “Um sedan muito bom de volante” – é o que garantem os engenheiros responsáveis pelo projeto.

Com lançamento previsto para o primeiro trimestre de 2018, o Fiat Cronos vem disputar o segundo maior segmento de automóveis do Brasil (sedans compactos), que, somente em 2017, deverá absorver cerca de 330 mil veículos.

Na Argentina, este segmento representa quase 100 mil carros por ano e é disputado por nada menos que 13 modelos de diferentes marcas.

Fiat Cronos 2

Fotos: Fiat Chrysler Automobiles (FCA) / Divulgação

Ford lança a linha 2018 do New Fiesta

José Oswaldo Costa*

de Tatuí (SP)

New Fiesta EcoBoost Style & New Fiesta SEL (2)A Ford apresentou, ontem, a linha 2018 do New Fiesta. Essa geração do hatch premium chegou ao Brasil, importada, em 2011. A nacionalização ocorreu em 2013.

Desde então, mais de 250 mil unidades foram produzidas na planta de São Bernardo do Campo (SP), de acordo com a montadora.

As principais mudanças para a linha 2018 ocorreram, principalmente, na dianteira do veículo. O para-choque foi totalmente remodelado e, a grade, ganhou pequenos detalhes cromados.

Os faróis da versão topo de linha, a Titanium, passam a contar com o DRL (Daytime Running Lights) em LED. As lanternas também foram redesenhadas (no posicionamento e desenho dos elementos) e passam a contar com iluminação em LED (versão Titanium).

New Fiesta 1.6 Titanium Plus (42)

 

New Fiesta 1.6 Titanium Plus (38)Essa versão ganhou câmera de ré.

New Fiesta Titanium_Câmera de Ré

As rodas, de 15 ou 16 polegadas, passam a contar com novos desenhos. Na nova versão Ecoboost Style (com motor 1.0 turbo) elas são na cor preta. Na SE, versão de entrada, são de 15 polegadas em aço com calotas.

Na intermediária SEL, também são de 15 polegadas, mas em liga leve. A Titanium utiliza liga leve de 16 polegadas em cor clara, tradicional.

A partir da versão SE Plus, outra novidade, o New Fiesta é equipado com o sistema de multimídia SYNC 3, com tela de 6,5 polegadas.

New Fiesta Titanium-Plus 1.6_Sync 3

Os motores são o 1.6 Sigma TiVCT Flex, de 128/125 cv (com etanol/gasolina) e o EcoBoost de 125 cv (com gasolina), do qual falamos anteriormente.

As transmissões são: manual de 5 marchas ou automatizada seqüencial de 6 marchas. Essa última passou por diversas alterações e aperfeiçoamentos para eliminar os problemas da geração anterior, informou a Ford.

Os preços e versões do For New Fiesta 2018 ficaram da seguinte forma:

SE 1.6 (manual) – R$56,69 mil: equipada com direção elétrica, ar-condicionado, trava, retrovisores e vidros dianteiros elétricos, central multimídia SYNC 1 com AppLink e Assistência de Emergência, sensor de estacionamento traseiro, farol de neblina, freios ABS, alarme volumétrico, computador de bordo e conta-giros.

New Fiesta SE 1.6

SE 1.6 Style (manual) – R$59,59 mil: com rodas de liga leve de 16 polegadas, grade dianteira, retrovisores e moldura do farol de neblina com acabamento em preto.

SE Plus 1.6 (automatizada) – R$62,39 mil: centrall multimídia SYNC 3, controle de estabilidade e tração, assistente de partida em rampa, vidros elétricos traseiros e fechamento global.

SEL 1.6 – R$61,09 mil (manual) e R$65,39 mil (automatizada): com ar-condicionado digital e rodas de liga leve de 15 polegadas.

New Fiesta SEL 1.6 (3)

EcoBoost Style (automatizada) – R$69,79 mil: com motor turbo e pacote de aparência Style.

New Fiesta EcoBoost Style_Exterior (4)

Titanium 1.6 (automatizada) – R$71,19 mil: com rodas de liga leve de 16 polegadas, sistema de navegação, câmera de ré, banco parcialmente em couro, faróis com luzes diurnas de LED e lanterna parcial em LED.

New Fiesta 1.6 Titanium

Titanium Plus 1.6 (automatizada) – R$75,19 mil: acrescenta bancos de couro, sete airbags, botão de partida, acesso sem chave, acendimento automáticos dos faróis, sensor de chuva e espelho retrovisor eletrocrômico.

New Fiesta 1.6 Titanium Plus (17)

Fotos: Pedro Bicudo / Ford / Divulgação

*o jornalista viajou a convite da Ford

**Cada versão mantém os itens da anterior, acrescentados pelos que são informados no parágrafo.

Renault faz recall do Sandero, Logan, Duster, Duster Oroch e Kwid

Da Redação

A Renault do Brasil está convocando, a partir de hoje (21 de novembro), os proprietários dos veículos Sandero, Logan, Duster e Duster Oroch a comparecerem à rede de concessionárias da marca para verificação da mangueira de direção de baixa pressão da direção hidráulica.

Foi constatada que a deterioração da mangueira de baixa pressão da direção hidráulica causa o vazamento do óleo hidráulico, com possibilidade de endurecimento da direção e, em casos extremos, perda da dirigibilidade com risco de acidente.

O recall envolve 13.026 unidades que foram fabricadas entre 29 de julho e 6 de outubro de 2016.

Os chassis, não sequenciais, dos veículos Sandero envolvidos vão de GJ481357 até GJ549376 e HJ246861 até HJ656295.

GEDSC DIGITAL CAMERA

Foto: José Oswaldo Costa

Os chassis dos veículos Logan que fazem parte do recall vão de GJ481363 até GJ516511 e HJ246859 até HJ548486.

GEDSC DIGITAL CAMERA

Foto: José Oswaldo Costa

Os chassis dos veículos Duster vão de HJ246871 até HJ547067.

IMG_8636

Foto: Amintas Vidal

Os chassis da picape Duster Oroch vão de HJ246869 a HJ557912.

Vei1 - Guilherme Lages

Foto: Guilherme Lages

A verificação e, caso necessário, a substituição da mangueira de baixa pressão, é feita gratuitamente em uma das concessionárias Renault em até 1h30.

Kwid

A Renault também convoca os proprietários de Kwid a comparecerem à rede de concessionárias para verificação do tubo de combustível e sistema de freios.

Pelo posicionamento na montagem do tubo de combustível, pode ocorrer a perfuração do tubo, causando vazamento de combustível. Para sanar o problema, a Renault fará o reposicionamento do componente e, se necessário, substituirá o tubo de combustível.

O recall envolve 16.798 unidades, fabricadas entre 1 de março/2016 e 27 de setembro/2017, dos seguintes chassis (não sequenciais): HJ524902 até JJ999218

Kwid_Intense_020baixa-808x1024

Foto: Rodolfo Buhrer / La Imagem / Divulgação

O sistema de freio pode ter trincas e, em casos extremos, ocasionar ineficiência de frenagem ou travamento das rodas e perda de dirigibilidade, com risco de causar acidente.

Será efetuada verificação e, caso necessário, a substituição de componentes do sistema de freios. O reparo tem duração de até 1 dia.

O recall envolve 21.802 unidades e envolve os chassis (não sequenciais) de HJ524902 até JJ999218, fabricados entre 1 de março/2016 e 2 de novembro/2017.

Os reparos são gratuitos e o serviço deve ser agendado. Caso o cliente tenha dúvidas, a Renault oferece seu Serviço de Atendimento ao Cliente (SAC), no telefone 0800-0555615 ou pelo site www.renault.com.br/servicos/recall.

Jaguar XE 2018 chega ao mercado nacional com novas opções de motores e duas versões

Da Redação   (Publicado no Diário do Comércio – Edição: 17/11/2017)

Vei4 - Jaguar Land Rover - DivulgaçãoO Jaguar XE chega ao modelo 2018 com a nova linha de motores Ingenium, totalmente desenvolvida pela Jaguar Land Rover.

Os novos propulsores Ingenium são bastante leves e compactos, fabricados com extenso uso de peças leves em alumínio, para proporcionar um melhor desempenho com uma ampla economia de combustível, explicou a montadora.

O motor 2.0 de 250 cv oferece o torque máximo de 365 Nm, que fica disponível entre 1.300 e 4.500 rpm. A aceleração de  0 a 100 km/h é feita em 6,3 segundos e a velocidade máxima é de 250 km/h.

Já o motor 3.0 V6  Supercharged, de 380 cv, proporciona uma entrega de potência linear com máxima capacidade de resposta. Isso resulta em um desempenho correspondente ao de motores muito maiores, enquanto otimiza a economia e reduz o nível de emissões, informou a Jaguar Land Rover.

Vei5 - Jaguar Land Rover - Divulgação

Fotos: Jaguar Land Rover / Divulgação

Sua velocidade máxima também é de 250 km/h (limitada eletronicamente). A versão que o utiliza, XE S, acelera de 0 a 100 km/h em 5 segundos e entrega até 450 Nm de torque.

O Jaguar XE conta com o sistema de suspensão dianteira double wishbone com o mesmo desenho do F-TYPE e traseira integral link, única na categoria.

O sedan conta com sistema de vetorização de torque que controla a frenagem de forma suave e individual das rodas de dentro em situações de curva acentuada e, também, com direção elétrica assistida.

Segundo a Jaguar, o veículo é o primeiro do segmento a ter sua estrutura em 75% de alumínio.

O sistema de entretenimento está disponível como item de série em todas as versões. Como opcional, os clientes ainda podem optar pela versão topo de linha do sistema, que traz tela touchscreen de 10,2 polegadas, tem pano de fundo totalmente customizável de acordo com o gosto do cliente, sistema de navegação GPS ainda mais ágil  e 10Gb de memória interna em que é possível o armazenamento de músicas e vídeos.

O Jaguar XE 2018 já está disponível nas 39 concessionárias do Brasil. Os preços sugeridos são os seguintes: XE 2.0 Turbo R-Sport (250 cv) – R$ 225,50 mil e XE 3.0 V6 S/C S (380 cv) – R$ 335,90 mil.

Chevrolet apresenta a S10 100 Years

Da Redação   (Publicado no Diário do Comércio – Edição: 17/11/2017)

Versão limitada a 450 unidades, numeradas, utiliza motor 2.8 Turbo Diesel e câmbio de 6 marchas

Vei1 - General Motors - DivulgaçãoSão cem anos de produção de picapes no mundo e, apesar de a caçamba continuar sendo o grande diferencial, o conceito deste tipo de veículo evoluiu bastante desde então.

Aliás, esse legado permeia o espírito da S10 100 Years, série especial, limitada e comemorativa ao centenário da Chevrolet no segmento.

O modelo difere-se dos demais, a começar pela “gravata”, logomarca da montadora, pintada em azul-escuro e grafada com nome da marca, como na primeira picape Chevrolet produzida nos Estados Unidos.

O emblema aparece na dianteira, na tampa traseira e portas da S10 série especial.

Para combinar, foi desenvolvida uma tinta metálica exclusiva para a carroceria, batizada de Azul Steel. Ela cobre também as molduras da grade frontal que envolve os filetes horizontais cromados e a barra preta central. Ela ajuda a ressaltar o logo personalizado.

Aliás, o azul, o preto e o cromado são predominantes nessa picape. Também conta com elementos estéticos inéditos, como os adesivos que delimitam os vincos acentuados do capô do motor.

Vei2 - General Motors - DivulgaçãoAs rodas aro 18 polegadas, de estilo clássico, passaram por uma releitura com o novo acabamento, enquanto a capota marítima segue o mesmo tom do santo-antônio que envolve toda a parte superior da caçamba. A lona traz a inscrição “100 Years” em baixo-relevo.

“A série especial realça as principais características do produto em suas diferentes fases, entre elas a robustez, elemento inerente às picapes Chevrolet há um século”, observou Gabriela Belini, gerente de design da marca.

Sofisticação – A cabine da S10 100 Years traz acabamento premium nos tons preto e cinza. No interior, a identificação da série especial aparece em uma plaqueta anexa à maçaneta das portas dianteiras.

É lá que está grafada a numeração do veículo, de que vai de 1 a 450, no Brasil.

O modelo é baseado na versão mais sofisticada da gama, a High Country, com motor 2.8 Turbo Diesel, tração 4X4 e transmissão automática de 6 marchas com CPA, que ajuda a reduzir os níveis de ruído e de vibração da picape a patamares similares aos de automóveis de luxo.

Vei3 - General Motors - Divulgação

Fotos: General Motors do Brasil / Divulgação

Outras picapes da marca no mundo estão ganhando simultaneamente a mesma série comemorativa e acabamento semelhante.

Nos Estados Unidos, por exemplo, foram os modelos Colorado e Silverado os escolhidos para “vestir” a gravata vintage da Chevrolet.

“Há 100 anos a Chevrolet fabricava no mundo sua primeira picape. Desde então a empresa não parou mais de evoluir, fazendo veículos cada vez mais confiáveis e tecnológicos. A série 100 Years carrega essa história e mostra que estamos de olho no futuro para continuar esse legado”, concluiu Carlos Zarlenga, presidente da GM Mercosul.

Pacote de itens similar ao da High Country

Os principais itens de série são:

  • Acendimento automático dos faróis;
  • Luz de condução diurna em LED (DRL);
  • Banco do motorista com ajuste elétrico;
  • Sensor de chuva;
  • Retrovisor central eletrocrômico;
  • Câmera de ré com gráficos para auxílio em manobras;
  • Sensor de estacionamento dianteiro;
  • Acionamento remoto da ignição;
  • Ar-condicionado digital com oito velocidades;
  • Sistema de áudio premium de alta definição;
  • Rebatimento elétrico dos retrovisores externos;
  • Estribos laterais;
  • Direção com assistência elétrica progressiva inteligente;
  • Computador de bordo com alerta da pressão dos pneus;
  • Multimídia com Android Auto e Apple CarPlay;
  • OnStar com serviços de app, emergência, segurança, navegação, concierge e diagnóstico avançado;
  • Alerta de saída de faixa;
  • Alerta de colisão frontal;
  • Controles eletrônicos de estabilidade e de tração;
  • Assistente de partida em rampas;
  • Assistente de descida íngreme.

A picape vem equipada, ainda, com o exclusivo protetor de caçamba. O preço sugerido da Chevrolet S10 100 Years é R$ 187,59 mil.