Comunicado

Prezados(as) Leitores(as),

Sou o jornalista responsável por todas as publicações feitas no blog DC Auto.

Com a matéria sobre o lançamento do Ford Mustang, publicada há pouco, faço uma pausa para recarregar as baterias. É hora de descanso e férias.

Dessa forma, conto com a compreensão de todos vocês, uma vez que o blog não será atualizado até o meu retorno, no mês de maio.

Nesse período da minha ausência, o DC Auto continuará sendo publicado, toda sexta-feira, na versão impressa do Diário do Comércio.

Essas matérias poderão ser acessadas, também, no site do jornal: http://www.diariodocomercio.com.br

Nos revemos em breve, com muitos assuntos e matérias interessantes sobre o apaixonante mundo dos motores.

Forte abraço,

José Oswaldo Costa

Ford Mustang é apresentado oficialmente

José Oswaldo Costa*   (Publicado no Diário do Comércio – Edição: 06/04/2018)

de São Paulo / SP

Esportivo icônico, lançado em 1964, chega ao Brasil em versão única GT com motor 5.0 V8 de 466 cv

Vei1 - Pedro Bicudo - Ford - DivulgaçãoUm ícone da indústria automotiva mundial está, oficialmente, entre nós. A Ford lançou, nessa semana, o Mustang. Lançado nos Estado Unidos em abril de 1964, o muscle car chega ao Brasil em sua 6ª geração.

Segundo a Ford, ele é o modelo esportivo mais vendido dos EUA nos últimos 52 anos. Na Europa, onde chegou em 2015, teve 9,3 mil pedidos durante sua pré-venda (em 2014) e, desde o lançamento oficial, já emplacou mais de 33 mil unidades.

No Brasil, sua pré-venda teve 275 pedidos sendo que, desses, 187 unidades já foram emplacadas. Interessante destacar que, desse volume, 30% foi dar cor vermelha, 20% na cor preta e 15% na cor branca. Importante informar que todas as 11 cores do catálogo do Mustang estão disponíveis para o consumidor nacional.

Comercializado, hoje, em mais de 140 países, ele desembarca no País em versão única, a GT. O preço, promocional de lançamento, é R$ 299,90 mil. Essa versão, nos Estados Unidos, é vendida por US$ 54 mil, segundo informou a Ford.

Usina de Força – O ronco do motor do Ford Mustang GT é de arrepiar qualquer amante de automóveis. Verdadeira música para os ouvidos. É difícil imaginar que o seu dono realmente aproveitará o sistema de som, incorporado ao multimídia – com tela de 8 polegadas sensível ao toque e com acesso ao Apple CarPlay e ao Android Auto –,  já que o motor 5.0 V8 é tudo o que se quer ouvir quando estamos ao volante.

Vei2 - Pedro Bicudo - Ford - DivulgaçãoEsse motor, denominado pela Ford como Coyote, é de 3ª geração. Ele é capaz de gerar 466 cv e 556 Nm de torque (a 4.625 rpm). Interessante que o “nosso” Mustang tem mais cavalos do que o norte-americano.

Lá, ele possui 460 cv. Segundo a Ford, o ganho de 6 cv se deve à alta concentração de etanol, que é misturado na composição da nossa gasolina. O motor conta com sistema de injeção de combustível direta e indireta e duplo comando de válvulas variável.

O Mustang GT leva 4,3 segundos para sair da imobilidade e atingir os 100 km/h. A velocidade máxima, limitada eletronicamente, é de 250 km/h.

A transmissão automática, com possibilidade de trocas manuais por meio de “borboletas” (paddle shifts) atrás do volante, é de 10 marchas. De acordo com a montadora, as trocas são realizadas em menos de 0,5 segundo.

Ford Mustang GT Premium 2018_Estúdio (4)A suspensão adaptativa não precisou passar por alterações para que o esportivo possa rodar em nossas ruas e estradas. Isso devido à tecnologia MagneRide, que utiliza amortecedores com fluido viscoso eletromagnético e sensores que monitoram as condições da pista mil vezes por segundo para oferecer a melhor resposta em cada situação de rodagem, conforme explicou a montadora.

Tecnologias – O Ford Mustang GT é equipado com seis modos de direção. Eles permitem um ajuste diferenciado para a direção, para a resposta da aceleração, para as configurações da transmissão e do controle de estabilidade.

São eles: Normal, Esportivo, Esportivo+, Pista, Drag e Neve/Molhado, além de uma seleção que o condutor pode personalizar ao seu gosto (MyMode).

Mesmo sendo um legítimo esportivo, o modelo conta com tecnologias semiautônomas. Podemos destacar o piloto automático adaptativo, o alerta de colisão com assistente autônomo de frenagem e detecção de pedestres, o assistente de frenagem de emergência e o sistema de permanência em faixa com detecção de fadiga.

O Mustang GT também vem equipado com o Track Apps, função que permite registrar vários dados de performance do veículo, como aceleração, tempo de volta e frenagem. O Line Lock, que bloqueia eletronicamente as rodas dianteiras para o preaquecimento dos pneus traseiros em largadas, o famoso burnout, é um recurso exclusivo para as pistas.

Vei5 - Pedro Bicudo - Ford - DivulgaçãoNo quesito segurança, destacamos a presença de 8 airbags (frontais, laterais, do tipo cortina e de joelhos); freios esportivos Brembo, controles eletrônicos de estabilidade e tração, assistente de partidas em rampas, câmera de ré, farol alto automático, sensor de chuva, sensor de estacionamento traseiro e sensor de monitoramento da pressão dos pneus.

Habitáculo é muito confortável

O quadro de instrumentos, totalmente digital, é de 12 polegadas. Ele é configurável e permite selecionar várias telas. Além disso, oferece 27 opções de cores.

Como dissemos anteriormente, o sistema multimídia (SYNC 3) conta com tela sensível ao toque de 8 polegadas. Ela apresenta conexão bluetooth e duas entradas USB do tipo smart charge.

O multimídia é equipado com assistência de emergência que faz uma ligação automática para o Samu em caso de acidentes com acionamento dos airbags ou corte de combustível. Esse sistema fornece a localização do veículo e dados como velocidade, tipo do acidente e o uso dos cintos de segurança e dos airbags para auxiliar o atendimento.

Caso o proprietário se canse do ronco do poderoso motor (será?!), poderá utilizar o sistema de som Shaker Pro PremiumSound. Ele tem 390 W de potência e 12 alto-falantes, incluindo um subwoofer de 8 polegadas.

Vei3 - Pedro Bicudo - Ford - DivulgaçãoOs bancos revestidos em couro são equipados com sistemas de aquecimento e refrigeração. A maioria dos ajustes são elétricos, mas o do encosto é manual.

De acordo com a Ford, o Mustang rodou, no Brasil, mais de 48.500 km para testes. Foram avaliados, principalmente, a durabilidade, as emissões de poluentes, os ruídos (internos e externos) e a eficiência energética. Além disso, foi feita a calibração do motor para o combustível nacional.

As revisões do muscle car têm preço fixo durante os três anos de garantia: R$2,88 mil. O comprador do modelo pode optar em estender a garantia para 4 ou 5 anos através dos planos de manutenção chamados de Ford Protect. Ele podem ter quatro ou cinco revisões. Esses planos têm os preços de R$ 4,43 mil e R$ 5,57 mil, respectivamente.

Nas revisões, os itens verificados são os seguintes: óleo do motor, fluido de freio, filtro de óleo do motor, filtro de combustível, elemento filtro de pólen da caixa de ventilação, elemento filtro de ar e vela de ignição.

Apesar do seu já belíssimo design, os proprietários ainda contam com alguns acessórios para diferenciá-lo. São eles: entrada de ar para as janelas traseiras, entrada de ar para os para-lamas traseiros, rodas de 19 polegadas de alumínio com acabamento em pintura de níquel brilhante, tapete protetor para o porta-malas e capa externa para proteção do veículo contra intempéries.

Vei4 - Pedro Bicudo - Ford - Divulgação

Fotos: Pedro Bicudo / Ford / Divulgação

*o jornalista viajou à convite da Ford

Hyundai informa os preços do HB20 Copa do Mundo FIFA 2018

Da Redação

HYUNDAI_HB20_COPA_DO_MUNDO_FIFA (1)O HB20 Copa do Mundo FIFA chega ao mercado em quatro versões, custando entre R$ 49,99 mil e R$65,99 mil. O início das vendas está previsto para 14 de abril.

Limitado a 4,2 mil unidades, o HB20 Copa do Mundo FIFA estará disponível nas carrocerias hatch e sedan, com motorizações 1.0 com câmbio manual e 1.6 com câmbio automático, sempre baseado na configuração Comfort Plus e acrescido de novidades tanto na parte externa quanto interna.

Além de conteúdo exclusivo, todos os clientes que adquirirem a série especial ganharão uma Telstar 18, réplica da bola oficial da Copa do Mundo da FIFA Rússia 2018.

HYUNDAI_HB20_COPA_DO_MUNDO_FIFA (27)-iloveimg-converted

HYUNDAI_HB20_COPA_DO_MUNDO_FIFA (23)-iloveimg-convertedAs versões têm exclusiva central multimídia com TV Digital. Itens como a grade frontal, os retrovisores na cor cinza, as rodas de 15 polegadas e os tapetes em carpete personalizados são exclusivos. O emblema oficial do torneio aparece nos para-lamas dianteiros e bordado nos bancos de couro e tecido.

Completam o pacote do HB20 Copa do Mundo FIFA sensor de estacionamento, acendimento automático dos faróis, volante com regulagem de altura e profundidade, abertura e fechamento dos vidros pela chave canivete e vidros elétricos dianteiros e traseiros com função one touch e antiesmagamento.

HYUNDAI_HB20_COPA_DO_MUNDO_FIFA (2)

Fotos: Hyundai / Divulgação

A série especial será comercializada na cor sólida branca e em dois tons metálicos na cor prata.

Confira abaixo os preços do HB20 Copa do Mundo FIFA:

  Versões Preço
Hatch HB20 Copa do Mundo FIFA 1.0 5MT R$ 49,99 mil
HB20 Copa do Mundo FIFA 1.6 6AT R$ 61,99 mil
Sedan HB20S Copa do Mundo FIFA 1.0 5MT R$ 53,99 mil
HB20S Copa do Mundo FIFA 1.6 6AT R$ 65,99 mil
     
Preço adicional para pintura metálica: R$650

 

* Em função da legislação brasileira, o recurso de imagem da TV digital funciona exclusivamente com o carro parado. Com o veículo em movimento, apenas a funcionalidade de áudio se mantém ativa.

 

 

Linha 2019 do Toyota Corolla tem reposicionamento de preços

Da Redação

1_corolla_xei_2019A Toyota do Brasil anunciou a chegada da linha Corolla 2019, disponível a partir de hoje, 2 de abril, nas mais de 250 concessionárias da rede autorizada da marca em todo o território nacional.

O sedan-médio mais vendido do Brasil continua a oferecer quatro versões: GLi 1.8, com motor 1.8 de 139 / 144 cv, conta com acabamento em couro e transmissão Multi-Drive, capaz de reproduzir sete velocidades nos modos Drive e sequencial, por meio de trocas na alavanca de transmissão; a intermediária XEi, a XRS e a topo de linha Altis, todas de motorização 2.0 (143 / 154 cv) equipadas com a mesma transmissão, porém com possibilidade de trocas de marchas manuais no modo sequencial, tanto na alavanca do câmbio quanto por meio de borboletas localizadas atrás do volante.

A principal novidade na linha 2019 do Corolla está no reposicionamento de preço da versão GLi, que possui acabamento em couro e passa a ser comercializada por R$ 89,99 mil. Redução de quase R$3 mil.

Porém, as demais versões tiveram um pequeno aumento no preço (veja tabela ao fim do texto).

A configuração XEi, a mais vendida do portfólio, passa a adotar acabamento interno na cor preta. As fotos que ilustram esse texto são dessa versão.

3_Corolla_xei_2019_interior_preto

4_Corolla_xei_2019_interior_pretoO Corolla 2019 continuará sendo comercializado nas cores branco, prata, cinza, preto, vermelho e na nova cor marrom. O Corolla XRS, apenas nas cores branco e preto.

Liderança entre os sedans-médios – O Corolla está presente no Brasil desde 1994, com produção nacional a partir de 1998, na planta da Toyota em Indaiatuba (SP).

Em 2017, segundo a montadora, o modelo de maior sucesso da Toyota no mundo contabilizou 66.200 unidades vendidas no Brasil, 2% a mais que em 2016, com market share próximo aos 50%, atestando sua liderança absoluta entre os sedãs médios disponíveis no mercado nacional.

No ano passado, foi ainda o 7º colocado no ranking geral de vendas.

Entre os meses de janeiro e fevereiro deste ano, as vendas do Corolla no Brasil somam 8.335 unidades, total que representa cerca de 44% das vendas de todo o segmento.

2_Corolla_xei_2019

Fotos: Malagrine / Toyota do Brasil / Divulgação

Exportação – Atualmente, o Corolla fabricado no Brasil é exportado para Argentina, Paraguai, Uruguai e, mais recentemente, Colômbia.

No acumulado dos dois primeiros meses deste ano, as exportações do modelo tiveram alta de 23% na comparação com o mesmo período do ano anterior.

Um milhão de unidades produzidas – Em março do ano passado, a planta da Toyota em Indaiatuba (SP) atingiu a marca histórica de 1.000.000 de unidades produzidas do seda-médio no Brasil.

Mundialmente, a Toyota já ultrapassou a marca de 44 milhões de unidades produzidas do modelo, desde o início de sua produção, em 1966.

Modelo Versão Preços
Corolla 2019 GLi R$89,99 mil
XEi R$105,69 mil
XRS R$111,27 mil
Altis R$118,85 mil

 

Alguns indícios de comprometimento da suspensão do veículo

Da Redação

Amortecedor, braço oscilante, pivô, batente e barra estabilizadora fazem parte do sistema de suspensão dos veículos, responsável por absorver as irregularidades do solo, mantendo a estabilidade do automóvel e o conforto dos ocupantes.

Componentes importantes para a segurança no trânsito devem estar sempre em boas condições. Por isso, é fundamental avaliá-los periodicamente. “Ruídos provenientes da suspensão, perda de estabilidade em curvas, balanço excessivo em arrancadas e freadas ou, ainda, sentir as rodas pularem excessivamente ao trafegar em solo irregular e vazamento de óleo podem ser indícios de desgaste nos componentes da suspensão”, afirma Jair Silva, gerente de qualidade e serviços da Nakata.

Ele explica que os amortecedores são desenvolvidos para suportar quilometragens altas, mas sua vida útil está relacionada às condições de uso e  do solo em que o veículo trafega. 

“Essas variáveis contribuem diretamente na vida útil da peça. Num veículo de aplicação fora de estrada, por exemplo, a vida útil do amortecedor será menor no que num veículo de aplicação urbana que trafega em pistas de boa qualidade”, ressalta.

A recomendação é levar o veículo em uma oficina de confiança, periodicamente, para revisão em todo o conjunto de suspensão ou caso o motorista perceba alguma anormalidade.

Desgaste prematuro pode ser evitado – Segundo Silva, para manter o veículo seguro e evitar desgaste prematuro dos componentes da suspensão e dos pneus é importante fazer alinhamento e balanceamento de rodas a cada 10.000 km, ou quando passar por buraco que provoque impacto forte na suspensão, e/ou, se  o condutor notar comportamento anormal do veículo.

O rodízio de pneus também é uma medida importante para assegurar a durabilidade, além de ser fator de economia.  “Deve ser feito de acordo com o recomendado pela montadora do veículo, garantindo vida útil maior”, comenta o gerente.

Lembrando que, ao fazer o rodízio, é recomendável balancear e alinhar as rodas.

Tiggo 2 apresenta projeto bem-acabado

José Oswaldo Costa*   (Publicado no Diário do Comércio – Edição: 30/03/2018)

de São Paulo / SP

Primeiro fruto da união CAOA Chery mostra a grande evolução dos modelos chineses mais recentes

Vei1 - CAOA Chery - DivulgaçãoA montadora chinesa Chery lançou o Tiggo, no Brasil, em 2013. Naquela época, tivemos acesso ao carro para avaliações e constatamos diversas deficiências, principalmente, no acabamento.

Peças mal encaixadas, matérias com acabamento ruim e um visível projeto de design (interno e externo) ultrapassado.

Agora, a marca apresenta, no Brasil, o Chery Tiggo 2. Além do projeto moderno apresentado pelo modelo, a expectativa é grande após a união da montadora com o Grupo CAOA que já controla, aqui, operações das marcas Hyundai e Subaru.

Dessa forma, o grupo nacional passa a contar com duas plantas: da Hyundai, em Anápolis (GO) e da Chery, em Jacareí (SP). A ambição, em relação à marca Chery, é grande.

Durante a apresentação do Tiggo 2, executivos da montadora apresentaram as metas de market share no mercado nacional: 0,6% para 2018; 1,5% para 2019 e 2,0% para 2020.

Para isso, além do Tiggo 2, pretendem lançar 3 novos modelos no Brasil até o fim desse ano. Hoje, são 25 concessionárias da Chery espalhadas no território nacional. A expectativa é de que sejam mais de 30 até o fim desse ano.

Importante destacar que a Chery é a maior exportadora de veículos da China e é parceira, localmente, de marcas importantes como Jaguar e Land Rover.

A marca investe pesado na contratação de profissionais mundialmente reconhecidos e aposta no desenvolvimento de um design ao estilo europeu. Ponto para a montadora chinesa, visto que este é o preferido do consumidor brasileiro.

 Tiggo 2 – O novo modelo para o mercado brasileiro é um SUV compacto. No primeiro contato, seu desenho agrada bastante. Interessante que a traseira lembra muito a do hatch da marca vendido aqui, o Celer.

Vei2 - CAOA Chery - DivulgaçãoHá uma barra cromada, que atravessa toda a extensão da tampa do porta-malas, unindo as lanternas. O para-choque é “parrudo”, em plástico preto, e conta com luzes de neblina nas extremidades. Essa parte preta faz a união, no mesmo material, com o acabamento das caixas das rodas.

A dianteira apresenta design discreto, moderno e bem resolvido. Não há exageros. No pára-choque dianteiro estão localizadas as luzes de rodagem diurnas (DRL). Também existe uma barra cromada, atravessando a grade do radiador, que faz a união com os belos faróis.

Foto_01As bonitas rodas em liga leve, de 16 polegadas, também chamam atenção. Os retrovisores, em tamanho grande, muito útil em utilitários esportivos, contam com repetidores de seta.

 Interior – O interior do Tiggo2 tem um belo impacto, bastante positivo. À primeira vista, os materiais utilizados causam boa impressão. Transmitem sensação de qualidade e não apresentam peças mal encaixadas.

O painel traz desenho simples e funcional. O quadro de instrumentos, com mostradores de velocímetro e conta-giros em tamanho grande, conta com tela digital entre elas (computador de bordo). Ela apresenta algumas funções interessantes, como a pressão de cada pneu.

foto_38

Vei3 - CAOA Chery - DivulgaçãoOs bancos são forrados com uma mescla de tecido e material sintético que imita o couro. As costuras, e alguns detalhes, na cor laranja ficaram de muito bom gosto. O volante é multifuncional.

Os apoios de braço nas portas apresentam material acolchoado na área de contato. Além disso, o acabamento dos botões dos vidros elétricos foi executado com capricho.

foto_50Os cinco passageiros contam com encostos para as cabeças e cinto de três pontos. O espaço é bom, mas um detalhe negativo se destacou: o “macaco” foi fixado embaixo do banco do passageiro dianteiro. Isso rouba espaço para os pés de quem viaja logo atrás.

Falando em espaço, as medidas do Tiggo 2 são as seguintes: comprimento – 4,20 metros; entre-eixos – 2,55 metros; altura – 1,57 metro e largura – 1,76 metro. O porta-malas tem capacidade para 420 litros.

foto_19

Powertrain Nesse primeiro momento, o SUV compacto será comercializado com motor 1.5, capaz de render 110/115 cv (14,9 kgfm de torque com etanol e de 13,8 kgfm com gasolina), e câmbio manual de 5 marchas. Os executivos da Chery informaram que o câmbio automático chega ainda no 1º semestre desse ano.

foto_62O Tiggo 2 será vendido em duas versões: Look (R$59,99 mil) e ACT (R$66,49 mil). O único opcional, para a versão ACT, é o teto pintado na cor preta, vendido por R$1,5 mil.

A versão Look conta, entre outros, com ar-condicionado, computador de bordo no quadro de instrumentos, controle de pressão dos pneus, airbag duplo, cinto de três pontos para todos os ocupantes, retrovisores elétricos, ajuste de altura para os faróis, vidros elétricos dianteiros e traseiros, alarme, banco do motorista com ajuste de altura, bancos com mescla de tecido e material sintético, luzes de rodagem diurnas, rodas em liga leve de 16 polegadas, sensor de estacionamento traseiro e rádio com entrada USB.

A versão topo de linha ACT conta com todos os itens da Look, acrescidos de: volante multifuncional forrado em couro, câmera de ré, controles de estabilidade e tração, assistente de partida em rampas, teto solar elétrico, rodas em liga leve de 16 polegadas polidas, central multimídia com tela sensível ao toque de 8 polegadas (com espelhamento dos sistemas Android e IOS) e ar-condicionado automático.

foto_65O SUV compacto será vendido com opção de 5 cores: duas sólidas (preto e branco) e três metálicas (prata, azul e marrom). O Tiggo 2 estará nas concessionárias da Chery a partir da primeira semana de abril.

foto_64

Fotos: CAOA Chery / Divulgação

*o jornalista viajou a convite da CAOA Chery

Quando 5 milhões de pessoas dependem apenas de outras 7 mil

Chico Lelis*

MEU LOGO

É isso mesmo, dos mais de 10 milhões de habitantes da cidade de São Paulo, 5 milhões dependem da consciência ecológica de outras 7 mil, que estão distantes cerca de 150 km da Capital.

Essas 7 mil pessoas habitam a pequena e deliciosa Santo Antônio do Pinhal (SP), incrustada em plena Mantiqueira (poucos quilômetros antes de Campos do Jordão e muito sossegada, mesmo na temporada da inverno).

Água mineral em Santo AntônioPara sorte dos paulistanos, Santo Antônio é habitado por pessoas que estão engajadas em um trabalho de conservação das nascentes que lá existem. Tudo dentro do projeto Águas da Mantiqueira, resultado da parceria entre a Fundação Toyota e a FUNDEPAG (Fundação de Desenvolvimento da Pesquisa do Agronegócio), com total apoio da prefeitura da cidade.

As águas que nascem nas suas minas e fontes ajudam a abastecer grandes reservatórios que servem a capital.

O trabalho, que visa fazer um cálculo hidrológico da área do município, é uma pesquisa com a participação de 30 profissionais de diversas áreas, no campo da agricultura, planejamento das cidades, conservação de florestas e águas e também saúde, educação e segurança.

São oito linhas de pesquisas a serem seguidas: Conservação da Biodiversidade, Hidrologia Florestal & Gestão de Recursos Hídricos, Urbanismo, Educação, Saúde, Agricultura Sustentável, Gestão Pública, História Econômica e Ambiental.

Diariamente estes profissionais, entre os quais membros do Instituto Biológico de São Paulo e Universidade de Taubaté, percorrem o município para verificar as condições de suas estradas (maioria de terra); procura de solo para agricultura (busca e manutenção de terras férteis); verificação da situação das escolas; levantamento dos animais que lá vivem e a situação, e também manutenção  das águas.

Todo este trabalho visa fornecer à prefeitura de Santo Antônio dos Pinhais informações para o desenvolvimento do trabalho diário do município e a elaboração do seu Plano Diretor.

O levantamento em Santo Antônio será concluído em julho, quando então surgirá o que fazer com o cálculo da vazão de água, sempre centrado nas Soluções Baseadas na Natureza (SMN), conforme prega a ONU no seu trabalho de preservação,

Gonçalves e Sapucaí Mirim

O projeto tem Santo Antônio do Pinhal como seu embrião, piloto. Ele deverá ser ampliado em direção ao Sul de Minas, onde estão Sapucaí Mirim e Gonçalves. Também na serra da Mantiqueira.

Ela começa na região bragantina e atravessa o Vale do Paraíba, passando por Santo Antônio e chegando ao Sul de Minas. Em estudo publicado na revista Science, foi eleita o 8º local de área protegida mais insubstituível do planeta. É a maior província aquífera do Mundo de água mineral.

Este estudo é da União Internacional para Conservação (International Union for Conservation of Nature), quando foram  analisados  78 lugares, englobando 137 áreas protegidas em 34 países. Juntas, protegem a maioria das populações de 627 espécies de animais, incluindo 304 espécies ameaçadas de extinção em todo o mundo.

O Parque Nacional Kakadu (Austrália) está no primeiro lugar. O Brasil também aparece no ranking com Alto Rio Negro (6º lugar), Serra do Mar (7º) e o Vale do Javari (9º).

Sabem o rio da Prata, na Argentina?

Aqui nasce o rio da Prata

Fotos: Divulgação (responsabilidade do editor da Coluna)

Pois é, ele também depende do trabalho da população e do sucesso do Projeto Águas da Mantiqueira, da Fundação Toyota e a FUNDEPAG. Seu nascedouro é lá em Santo Antônio do Pinhal, conforme a foto mostra a vocês.

Vejam só a importância da nossa Serra da Mantiqueira.

índice

 *chicolelis – chicolelis@gmail.com – Jornalista com passagens pelos jornais A Tribuna  (Santos), O Globo e Diário do Comércio. Foi assessor de Imprensa na Ford, Goodyear e, durante 18 anos, gerenciou o Departamento de Imprensa da General Motors do Brasil. Assina a coluna “Além do Carro”, na revista Carro, onde mostra ações do setor automotivo nos campos social e ambiental.

Apoio

LOGO TOYOTA COLUNA